terça-feira, 29 de julho de 2008

Retorno ao Platonismo?!


Controle suas emoções, ou elas controlam você!
Diz um velho deitado! Pois bem. Façamos o que é certo fazer, de acordo com a razão em nossos cérebros! A vida pulsa em nossas veias, e precisamos de um destino para seguir em frente.
Quantos planos feitos, quantos sonhos construídos à base de fatos misteriosamente inseguros.
Tudo bem. Tudo bem; diz a hipocrisia em nossos lábios. Um brilho hostil no olhar, sarcásticamente dolorido, como um punhal que perfura o coração.
Sim! Pode ser assim expresso. Coloco uma espada contra meu coração, e ameaço assassinar o amor que jaz dentro dele, caso não seja desvendada a verdade dos fatos por detrás de tantos enigmas. Digo "Fale de uma vez o que há por trás de tudo isso!" enquanto empunho trêmulo, hesitante, a lâmina que não quer nem um pingo de sangue derramado por este chão!
Oh! meu Deus! Por que isto tem que acontecer? Grita o coração, refém de seu próprio dono.Por que sou tão abatido? O que eu fiz pra merecer tantos golpes do destino?
Então, eis que surge uma luz na escuridão, entre sonhos pesadelos, entre a cruz de seus fardos e o prazer de um paraíso inerte no caos, ela vem; a paz!
A morte de seus desejos trará a felicidade, e paz de espírito!
Não há que desejar, há que lutar pelo que lhe fará bem!
Lute pelo velho sonho! Pela velha cantiga de fogueira. Somos mais que tudo isso. Somos capazes de chorar sem ninguém perceber. Somos como mel na lâmina prateada, que talha silenciosamente os sentimentos no escuro daqueles dias declarativos; onde o verde dos prados não se cansa de ser verde, e o azul do céu de opala busca tocar em nossos corações, com seu manto de paz e amor.
Tenha fé, mas mantenha o amor em seu coração...
Ele não irá desistir de lutar por seus sonhos... Nem por seu amor interno, nem por ela, porém, ficará, como numa espécie de retorno ao Platonismo, inerte... Deitado na relva clara, banhada de luar...
Olhe lá! Olhé lá, é o amor chegando, lutando por existir aqui dentro.
Te amo, e te entrego o que de mais belo existe no meio dos nossos: o Amor por uma vida mais colorida. E não se esqueça que isto não se acaba assim....
A lâmina ainda está à garganta deste amor, mas só vai depender de um sim, ou um não!
O que será...
Que venha, se tiver de vir, este amor assim, assim...
Amor....!

Nenhum comentário: