terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Ponto de Reflexão


De acordo com o Diário do Noroeste de sexta-feira passada, dia 05 de dezembro de 2008, mais especificamente na pág. 11, "o número de casamento entre dois solteiros, embora ainda maioria, é cada vez menos. "
Bom, para começar, concordo plenamente que as coisas estão BEM diferentes de uns quinze anos atrás. E a radicalidade da coisa se mostra pelo curto espaço temporal necessário para a tamanha e significativa mudança em nosso meio social de ver e fazer certas coisas - casar, por exemplo, o nosso tema aqui.
Tá certo que muitos parecem nunca ter nascido para o matrimônio. Outros tentam, meio que "nas coxas", conduzir aos trancos e barrancos uma relação fundada sob uma confusa soma de justificativas para a cultural aliança matrimonial.
Alguns há que tentam uma, duas, três ou mais vezes "recomeçar" denovo. Isto não parece "certo".
Certo?
Hmmmm!
Tá aí um conceito estranho, as vezes.
O que se quer dizer, quando se afirma, olhando para um divórcio, por exemplo, que o fato não foi "certo"?
Bom, na minha concepção, isto se dá através das lentes das "Sagradas Escrituras", a Bíblia.
Ora. Lá está contida a palavra de Deus para todos os homens seguirem, num só coração.
Mas vem cá...
Então por que de lá se extrai tantas concepções diferentes entre si?
Alguém já parou pra pensar que, nunca se chega a uma interpretação "unificadora" da bíblia, e sim uma "separadora"?!
Isto é de se refletir.
Eu penso que tem algo errado com tudo isso.
Agora voltemos nossa atenção para o casamento.
Ele é o ato de unir um homem e uma mulher, para que não vivam errantes, se relacionando com qualquer um a toda hora, e para que não permaneça o caos social.
Casamento é feito para criar alianças, para gerar civilização, "FAMÍLIA".
Taí, a tecla que a igreja sempre tecla em cada celebração.
Família é a salvação do mundo.
Onde está, e como está a "sua" família?
Se estiver mal, consequentemente, poderei afirmar que você provavelmente não esteja totalmente de bem com a vida.
Então, por que ninguém se preocupa, antes de casar, com o que acontecerá com a "nova" família a ser gerada?
O mundo não percebe que é nela que jaz a razão da paz e harmonia (ou o inverso, no caso da ausênia de propósitos para com ela)?
Ok. concluindo o que estou sentindo vontade de dizer:
Preciso fazer o Bem; preciso tornar um "certo alguém" aí muito feliz.
Quero ser dádiva divina para [esta] minha futura esposa. Trazer agradecimentos por nossa união.
Não quero que nada de mal nos aconteça, e anseio por muitas bênçãos para quando me casar.
Sou tradicionalista nesta parte e, quero viver de acordo com as tradições.
Afinal, a cultura é o que marca a face da humanidade (ou de uma comunidade específica).
Não podemos simplesmente julgar nenhuma cultura por ai a fora, e nem muito menos pregar a nossa como a "única" do mundo, como se fôssemos, aos olhos de Deus, os "prediletos".
Para entendermos bem esta premissa, chamo a atenção para Israel, o "povo de Deus".
Aquela nação recebeu uma promessa de salvação, de mudança, de progresso, paz, libertação, enfim, recebeu uma "boa nova".
Não que ele fôsse o "único" país agradável aos olhos de Deus. Aquele foi o exemplo do que se pode seguir, quando se almeja alcançar a Graça e o Perdão para o coração.
Pois foi um exemplo de cunho pedagógico para se "saber que temos um único Deus no céu".
E também para tomar o cuidado de não negar que, TODOS vinculados a ele, são braços, galhos, ligações muito significativas perante a fé.
Um exemplo bem esclarecedor disso tudo é que, na maioria dos casos, nossos parentes são vistos com muito mais bons olhos que os estranhos ou vizinhos do nosso bairro, ou quarteirão, por exemplo.
E por quê?
Ora. temos um vínculo sangüíneo para com os parentes, e subentendidamente falando, sentimos a "ligação" para com "nossos pais". Logo, sentimos mais conforto, em termos "fraternais", para com os parentes (isto não é regra, mas é um fato importante em nossas vidas familiares).
Quero, com esta idéia, comparar a "fraternidade" com os que seguem a Jesus Cristo, e todos ligados a Deus de uma maneira muito significativa.
Somos irmãos, nosso centro é Jesus, é Deus.
Aqueles que seguem essa família, são todos bem-vindos diante do amor de Deus.
Por isso, prestemos homenagens a todos os "parentes em Cristo".
Como numa festa familiar, fazemos orações nas igrejas.
Assim, tomei-me, como alguém prudente que descobre o poder maravilhoso que Deus tem para mostrar a nossas vidas, e pedi a Cristo que viesse dirigir o volante de meu destino, trazendo paz e harmonia ao meu coração. Pedi que tomasse o controle das minhas ações, para que eu pudesse me preencher do espírito de Deus.
Por isso, creio, nada será falso daqui pra frente.
Deus me levará ao encontro dos meus desígnios mais preciosos.
Meu verdadeiro ofício, minha verdadeira fé, meu único e verdadeiro amor.
Não é um amor fantasioso ou irreal, pois nasce a partir da cede de preenchimento, de realização, na vontade de tornar cada detalhe uma bênção, um conto de fadas original.
Este amor será TUDO.
Com muita fé e devoção, conseguirei estabilizar-me com Deus, com Ela, e com Tudo o que me cerca.
Que todos venham ver...
Poder Supremo!...

"Conhecereis a verdade e ela vos libertará".

Pois bem, saibam é "isso" que me fará feliz.
VERDADE!
Olhai para todos os lados, analisai os fatos...
Toda causa tem um efeito...
Analisemos os efeitos também.
Pelos frutos, saberemos se a árvore é boa.... e se possui boas safras.
Estou indo para um dos pomares vizinhos, para provar os frutos de uma qualidade um tanto diferente, mas que são da mesma espécie de fruto.
Isto é que fará a diferença.
Quero ser este agricultor, que produz bons frutos para toda a "família" se alimentar.
E que tudo esteja debaixo da aprovação divina.
Pois nossa existência é, independente de crermos ou não, obra de Deus.
Ele está em TUDO.
Não só onde ele é mencionado.
Como os pagãos, que tiveram direito à salvação... Ele dá o direito a todos.
Todos podem plantar esta semente no mundo.
Amai uns aos outros como eu vos amei!

Pois é de se parar pra pensar um pouco, não é?
Ora, basta analisarmos, antes de mais nada, se estamos fazendo a vontade de Jesus.
Se nossas atitudes religiosas estão de acordo com a Verdade, com o amor, com a esperança (dita por Paulo).
Nossa caridade não nos salva, é óbvio. Mas por crermos e por amarmos, fazemos isto, e assim só enriquecemo-nos aos olhos do pai.
O que Deus quer para nós?
Ele gosta de ver nossas brigas terrestres?
Desmatamento... violação moral... imprudências descabidas?
Claro que não!
Deus gosta de negligência entre os homens?
Claro que não!
Deus aprova a "troca" de seu filho ou de si próprio por meros humanos na terra?
Óbvio que não!
Mas Deus aprova protestantismos entre os homens?
Claro que não!
Ele quer que todos se amem e cheguem a paz!
"Juntos"!
Mas, o coração dos homens se divide tão fácilmente, por ideologias...
Por intrigas teológicas...
Aí surgem divisões entre nós...
E somos obrigados a engolir, porque é uma massa da sociedade que aceita.
A força do rebanho quebra as porteiras...
E pisoteiam o gramado...
E tudo vai pelos ares...
Sinto muito pela ganância, sinto muito pelo mal, pelos pecados...
Sinto muito pelas richas religiosas entre todas as religões do mundo...
E principalmente entre os "PRÓPRIOS CRISTÃOS!"
Isto é de chorar!
Como podemos ser tão mesquinhos!
Como podemos complicar tanto a vida...
Por pura pregação diferente...
Chegamos a dividir-nos na fé...
Criando conceitos...
Crendo em verdades E verdades...
Sinto muito mesmo...
Sofro ao saber que muitos já passaram por dores imensuráveis através desta richa religiosa.
Um afirma que a religião não salva (óbvio)...
Outro diz que ela "re-liga" o homem com Deus...
Concluo que fica a critério de cada um...
Se não estamos satisfeitos, é muito fácil pular fora e criar um meio "convenientemente" confortável de adorar a Deus...
Eu não ligo pra isto...
Eu sei que a vida se baseia em escolhas e mudanças...
Não acho que Deus está numa religião....
Mas creio que ele está na comunhão com ele!
Isto é pessoal!
Se você crer que ele está lá, ele descerá sobre você, com certeza absoluta!
Então, não deixe a emoção divisora que corrói, alienar a mente, a razão, dizendo que
isto ou aquilo está errado, se você analisar pelo lado de fora...
Claro, nenhum sacrifício é agradável aos olhos de Deus, se este é feito apenas em atos, e não internamente, e não com a devida "consciência" que é o motor de impulso, o que alimenta o ato de se sacrificar por Deus.
Náo é porque o povo erra, que devemos condenar a doutrina.
Quando apontar um dedo para alguém, lembre-se que três estarão apontando para "você".
Cuidado com as acusações religiosas impensadas...
Fundadas numa convicção que sufoca a "compreensão" existencial do que significa ser religioso de "verdade".
Deus nunca disse para ficarmos a sós...
A palavra mostra o quanto tentamos, no começo, sermos religiosos...
E NUNCA dava certo.... e por quê?
Porque o homem é pecador por excelência!
Desde quando cometeu o primeiro pecado, ele se viu impuro aos olhos de Deus!
Agora, cabe a nós, homens da terra, buscar a reconciliação (religião) com Deus.
Isto se dá através de muita entrega (total, na verdade), devoção, consciência...
Nossas escolas da fé são base de apoio moral, para criarmos vínculos entre irmãos e irmãs em Cristo.
E se você perguntar a qualquer um na rua:
"Quem é mais importante, seus pais ou seu irmão?" É óbvio que os pais são mais importantes.
Deus é mais importante que qualquer servidor...
Seja mortal ou imortal (anjo).
Mas Deus diz claramente:
Cuidado para quando julgares...
Não faça isto para não ser também julgado igualmente.
Se disser que alguém não é "santo" aos olhos de Deus, então, o que você acha que Deus dirá de você, que se colocou santo para poder "julgar" quem é ou não é digno do Céu.
Eu particularmente estou pensando nisto agora...
E talvez Deus tenha colocado tudo o que aconteceu diante dos meus olhos para que eu pudesse ressucitar para a Fé.
E tenho certeza que assim o foi.
Me tornarei um teólogo.
Para buscar a verdade de Deus.



Nenhum comentário: