sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Pérolas


Preciso de férias...
Estou cansado!
Me sinto sugado, fatigado, tonto...
O que acontece?
Não sei. Não sei dizer.
Só sei que preciso de férias...
Preciso descansar um pouco.
2008 não foi um ano fácil.
Os dias sugaram minhas forças, e não tive nem energia para revidar esta sucção espiritual.
Minha energia espiritual parece ter sido consumida pelo pessimismo dos anos passados (não muito distantes)...
E como conseqüência, me vejo exausto de tudo (física e psicologicamente).
Meu coração luta na inércia...
O amor é este lírio que balança em meio às pedras cinzentas...
Os céus estão obscuros, e a chuva parece que vai demorar um pouco a cair.
Estou esperando em silêncio...
Tortura?
É, talvez.
Mas a esperança e a Fé estão me animando a viver.
Deus é o resgate.
E sei que não é utópico. Pois a Fé tem que ser prática, real, vivida...
Assim como confiamos na água que nos chega às torneiras...
Assim como acreditamos piamente no cafézinho do hospital, da recepção de algum estabelecimento de trabalho... e não duvidamos de nada, isto é, nem ficamos imaginando se há envenenamento nessas coisas do dia-a-dia.
Isso é um exemplo de Fé!
Nossa fé tem que ser de entrega assim também.
E eu preciso desta fé!
Escolho por ela!
Minha opção é ser alguém de opinião.
Nossa fé não pode, como aprendi bem, nos prometer um mundo que não é pra "agora"...
Tem que nos adaptar a realidade presente, e nos sustentar com forças para "lutar" contra as tragédias da vida.
Nossa fé em Deus é o motor que nos move para o amanhã.
Aprendi que o pessimismo pode ser lógico, e é assim.
Por isso é tão fácil ser adepto a ele. E quantos não caem nessa.
Aprendi que o pessimismo é aderível porque não cobra nada dagente, a não ser a inércia, indiferença.
Pensando pessimista, a gente só dá desculpa. Justifica nossos erros, enquanto que se pensarmos positivamente, "nesta fé da ação", lutamos...
Não para retirar a tragédia de nosso caminho (o que é impossível na realidade)...
Mas para torná-la "suportável" para se viver.
Como a história da triste ostra, que, por ter se deparado com o percalço de um grão de areia que entrara em sua carne, fazendo-a sofrer, decidiu então cantar sua dor e tristezas, gerando, a cada melodia, uma forma de "contornar" o grãozinho inoportuno e irritante...
Gerou uma linda pérola!
Jóia rara surgida da luta em se "suportar" uma eventual desgraça.
Assim, quero, como esta ostra, produzir, através da Fé na espera de Deus, minha magnífica pérola!

Nenhum comentário: