sexta-feira, 26 de junho de 2009

Ao Sabor do Luar


Conte quantos grãozinhos de areia tem na praia...
E quantas folhas há em cada planta da terra!
Conte quantas gotas tem o oceano...
E quantas estrelas tem na Via Láctea...
Pois a soma que resultar...
Em forma de tempo, contigo quero abraçado e beijado ficar!
Ah!
Esse olhar...
Esse tatear, afagar, entrelaçar...
Tudo assim, único!
Oh! minha princesa, musa que me encanta o coração...
Fica comigo, e dancemos juntos esta canção!
Pois fica uma rima no ar...
Bailando de lá para cá...
Fica a fragrância do vinho...
Que embriaga o sereno luar!
Já não estamos mais tão sozinhos...
Esperemos a noite chegar!
É tão longa a estrada a frente...
Mas podemos cuidar um do outro...
Tu me cuidas...
Eu te cuido...
Nós criamos nosso próprio parque de diversões...
Ainda que na simples esquina de vis postes.
Dos arbustos: floresta!
Das gramíneas: carpete!
Da brisa dos florais: perfume!
Dos olhares: códigos!
Dos tocares: costume!
Dos beijos: "Idiossincrasia coletiva" (dedinho)



Um comentário:

K. disse...

O sabor do luar... Quase uma sinestesia do telefone. Dá vontade de tatear e sentir como é macio. É macio ver. É bom ouvir (você falar). É vinho, tequila... Ah com tudo junto, o tempo voa pelo vento e eu não vejo nada além dos seus olhos, não sinto nada além do calor do seu abraço, é incrível sentir de onze dias o jucundo laço, o mundo acaba em volta, mas com você estou tranquila - não me sinto mais sozinha.