segunda-feira, 22 de junho de 2009

Num Ócio Poético...


Deitado num vasto e macio gramado, ele contempla o passar das altas nuvens do céu...
"Olhe só aquela com cara de girafa!" Ele comenta consigo próprio.
A brisa acaricia suavemente seu rosto sereno de leves emoções...
Seus pensamentos são como plumas flutuantes!
É macio, é confortável, é como tatear o algodão...
É o abraço de um beijo!
E embriagado de uma pura realidade que lhe acontece e o circunda...
Ele se levanta e, sentado, contempla adiante o lago que se estende pelo prado ali próximo.
"Pensar é transgredir!"
E lembra Lya Luft!
"Ser ou não ser?!"
E pensa em Shakespeare...
Mas o seu pensamento próprio é: "Amar pelo que se pode fazer com o que se é!"

Um comentário:

K. disse...

Num ócio deste cansaço que fora meu viver outrora agora relaxo. (Suas mãos em meus ombros contribuem em boa parte disso ^^)
Brincando com a vida nesta tarde de segunda, nestes dias que voam diante de meus olhos, nestes bons momentos, inesquecíveis, nossos momentos...
Não faltarão "verdadeiros" ócios: a busca de figuras em nuvens (juntos), nem de contagem de estrelas ou até (numa oportunidade única) a contemplação da lua enamorada do sol num eclipse.