sábado, 25 de julho de 2009

Amor!


Nesta jornada da existência...
Viajando rumo ao infinito...
À eternidade dos sonhos...
Digo sinceramente:
Obrigado por estar aqui!
Sim! obrigado por ser a linda princesa do meu coração!...
E por acariciar meus cabelos enquanto nos olhamos sem parar
E por me abraçar e se deixar abraçar quando as palavras já não são tão necessárias entre nós...
Obrigado por me beijar e se deixar beijar!
Querida, nós dois somos como companheiros de naufrágio, no oceano da vivência humana!
E hoje vivemos em nossas jangadas ziguezagueantes
Flutuando, guiadas pela boa brisa da razão em nossas cabeças...
Olhe lá: o horizonte que se estende diante dos olhos...
É bem ali, onde a gaivota branca canta serenamente...
E onde os demais pássaros ornamentam o lugar, como portal de passagem...
Para a nova vida...
Então, venha comigo, sempre assim, amor!
Sempre como o meu amor! Viver o Nosso Amor!
E que eu possa lembrar de ti até mesmo quando me esquecer (por um segundo) de você!
Mas que eu também me lembre de esquecer de ti...
Para poder sentir o quão bom é lembrar novamente que a tenho comigo, para me aquecer!
Afage-me, e se deixe afagar... Se deixe cuidar!
Cuido do teu leito, assim como cuidas do meu...
Meu amor, não te deixarei cair num só segundo!
Assim espero de ti apenas o perdão para meus idiossincráticos pecados contra qualquer coisa!
Pois assim encontro forças para caminhar e lutar minhas batalhas.
Pois se não empunho minha espada, não consigo protegê-la...
E se empunho minha espada, não consigo abraçá-la!

Resolvamos juntos, então, os enigmas desta vida!
Caminhe comigo, olhando a paisagem que nos circunda, e comente comigo sobre cada detalhe.
E não tenhas medo algum...
Seguremos nas mãos dEle!
Enquanto a outra mão nos damos um ao outro!

Amor, venha comigo até à orla da praia...
E juntos esperemos pelo despertar da aurora!
E assim, como num ritual de recepção, de invocação, de clamor...
Invoquemos o verdadeiro Amor que é perfeito!

... Que volitando ele venha do horizonte celeste...
Por entre as nuvens a borboletear!
E que sobre nossos corações venha descer afável!
Que nos impeça de falhar nesta navegação tão colossal...
Rumo aos portos azulados do paraíso...

Sim!

Amor, e quando tu sofreres por qualquer razão...
Quero ser quem sempre enxugará tuas lágrimas!
Quem te abraçará quando do teu corpo o calor parecer se esconder!
Te beijar, quando vir a inflar esta nossa explosiva e racional paixão!
Quero contigo deitar e rolar pela grama...
Viver, de tão puerilmente feliz, como na realização dum sonho de infância...
Um sonho amoroso!

E ao som da flauta doce,
E ao toque da harpa cristalina,
Dançaremos esta magnífica melodia...

Enquanto a águia sobrevoar o cume dos montes
E a água gélida cair por entre os cristais de gelo setentrional...
Amor, quero formar contigo um par, amorosamente culto,
Complexamente simples,
Simplesmente complexo...
Levemente pesado,
Transparentemente opaco,
E azuladamente verde!
Quero que em nossos olhares mútuos,
Em nossos abraços mais apertados,
Em nossos beijos mais calorosos,
Fique a assinatura e a sombra do que significa o nosso Ser...
Nosso Amor!
Fique o carimbo de Deus!
Amor, seja o que eu não sou por plenitude...
E permita-me ser o que tu não podes ser...
E que eu saiba permitir tu atuares com aquilo que de melhor souberes fazer por mim...
E que possa eu fazer o que sei de melhor em minha essência por ti...
Amemo-nos! e nos Amemos!
Em nome do Pai
Do Filho
E do Espírito Santo...
Amém!

Nenhum comentário: