terça-feira, 14 de julho de 2009

A Disciplina de Zambe


Onde queres chegar, oh Riacho?
Acaso sabes onde habita o Oceano!?
Fluis tão simples pelas florestas
E não te perturbas com nenhum empecilho?!
Apenas contorna-os, simples assim
Então saibas que tu me ensinas a caminhar a vida!
Por isso: obrigado, amigo Riacho!
Agradeço-te pela disciplina milenar!
Assim como tu, não sei do Oceano para o qual me dirijo...
Nem quando, nem por onde passarei até alcançá-lo
Assim como tu também tenho obstáculos pelo caminho
Pedras e mil coisas para ultrapassar
E Invernos para cruzar!
Mas não tenho de ti a paciência
Pois não consigo esperar pela chegada - que ainda por cima é "incerta" - de meu destino-mar!
Por isso, ensina-me, caro amigo: como ter a calma durante esta jornada.
Se quero desaguar a dois...
Sim, junto dela!
E quero ser como tu: assim, sempre flexível.
Saiba que busco a luz do sol a cada manhã...
E o calor do verão para o amor em meu peito!
Que a brisa invernal seja minha guia...
Para tratar da temperatura de minhas tolerâncias
Pedras não há em minhas mãos agora
Hei de lançar cartas ao mar
Pedindo ao Mestre e ao Pai
Bênçãos e prodígios
Sejam extraídas e lapidadas de mim, as preciosidades que em forma de virtudes em meu coração habitam!
Quero ser qual riacho que corre pro mar
Junto a ti, princesa minha
Quero desaguar junto de ti, no oceano do amor
E viver lado a lado com a sorte grande de contemplar junto a ti:
Este nascer e pôr de sol!
Sejamos Safira e Esmeralda juntos!
Espada e bainha
Mão e Pena

Um comentário:

K. disse...

Que nossos cursos se unam no meio do caminho. (há um comentário no meu novo post)Que a mão seja a de Deus, a pena, nossa fé, sejamos o papiro.