quarta-feira, 1 de julho de 2009

Inspirado - Oh! Yeah!


De todas as coisas que a gente idealiza durante nossa jornada existencial, gostaria que você fosse a parte mais bem sucedida de todos os meus ideais - ainda não concretizados plenamente. Pois após tantas conclusões (precipitadas, se posso assim dizer) existenciais, filosóficas e pessoais sobre o que a vida significa (ou significou) para mim, chego agora ao estágio ideológico em que minhas preces a Deus (pelo menos na parte conjugal) são para que tu sejas a pessoa para envelhecer e, se de acordo com os planos Divinos, morrer junto.
É simples assim. Para mim basta que tu sejas a pessoa com quem dividirei ideais e anseios, choros e risos, angústias e prazeres. É contigo que, esperando em Deus, quero ter um pleno convívio.
Sei, nossas vidas se cruzaram como se fosse ao acaso, mas acredito que nada escapa aos planos "dEle". E tu bem o sabes, esta vida é cheia de coisas estranhas por aqui ou por ali.
Não dá para prever nenhum movimento do senhor destino (se com tal termo posso expressar o que acontece de significante ou não com cada indivíduo que respira).
Também sei que a única coisa que possuímos em mãos é o nosso presente, e por isso quero compartilhá-lo (como já estou ou estamos fazendo) contigo.
Venha dançar, sim, pois a vida é assim mesmo.
Para cada machucado que um descobrir no outro, que um beijo sirva para (senão sará-lo) ao menos ajudar a cicatrizá-lo.
É interessante (ainda em se tratando da absurdidade dos fatos que a vida nos traz), não esperava encontrar alguém assim: tão depressa, mas tão "significante" (em termos ideológicos).
Parece que Deus esperou até o momento para colocar-me dentro de uma situação na qual tudo pelo que passei (e sofri "coracionalmente") significasse mera bagagem para contar histórias didáticas sobre minha vida passada.
Agora vejo a vida com novos olhos. E acredito que o Senhor rege tudo isso aqui.
O maestro da sinfonia da existência é magnífico ao ponto de me deixar estupefato com a tamanha "Divinidade" (claro, Ele é o que sempre foi - GOD!!! Woooooow!!!) com que se manifesta nos simples detalhes dos acontecimentos que nos fazem orar à noite em agradecimentos e louvores (de TODO o nosso coração).
Escrevo submergido num estado emocional de alguém que acaba de assistir a um filme romântico no qual o enredo trata de dois apaixonados que estão aguardando o sono da morte por causa de um câncer terminal. Assim, estes decidem (enquanto aparentemente saudáveis) fazer de tudo o que lhes apetece, ou melhor, as coisas que sempre quiseram e que nunca empenharam energia necessária para sair da inércia ou indiferença.
Ah! pensei sobre o filme e, imaginei que seria legal manter um nível de inspiração existencial sempre baseado na ideia de que devemos viver o hoje como se não fosse haver um amanhã; alias, pode ser que não haja realmente (quem vai saber?!).
Por isso, quero viver esta peça que é a vida, com entusiasmo. Se possível, manter sempre o pique.
Você é tão jovem (e eu também sou, só que já estava no primeiro ano aprendendo a escrever quando tu viestes ao mundo)...
E apesar disso, nossas idiossincrasias nos uniram de tal modo que não pudemos permanecer separados por muito tempo - risos.
Alguma coisa me diz que hoje posso estar com a pessoa certa para aquilo que almejo futuramente, e espero que eu possa ser o mesmo para ti.
Por isso, agora, vamos ensaiar uma peça, e que nos ensaios não nos preocupemos com erros de script, gesticulação, entradas e saídas perfeitas. Vivamos os "ensaios"!
Logo, se for de cunho Divino os alicerces que sustentam nossa permanência numa caminhada por "um só caminho", então saberemos, ao entrar definitivamente em cena. Pois no dia da apresentação, os aplausos da plateia da existência, e dos meros dias cotidianos, nos dirão o caráter da "regência" externa dos fatos e "acasos" - dedinho.



Nenhum comentário: