quarta-feira, 7 de abril de 2010

Inverno


De repente o ar resfria...
Quem ligou o ar-condicionado do mundo?!
O inverno parece querer se adiantar nesses dias...
"Hei! mas ainda é abril, poxa!"
E eu, de motoneta, sentindo nas mãos a gélida brisa forçada pela velocidade...
Vou-me a trabalhar todos os dias.
Vou feliz, pois pesado lá não é. Só estressa de vez em quando. Mas é normal.
Mas estou a falar do frio. Repentina fagulha invernal. Roubou a vez do calor que ainda estava.
Gostei!
É isso mesmo. O inverno é minha estação-natal. Nele nasci. E nele, tantas vezes, fantasias amorosas alimentei. Tantos jogos de vídeo-game, ao cobertor, joguei.
Tão bom. Épocas colegiais me vêm à memória agora.
O friozinho na espinha, na barriga... no rosto e nas mãos...
É...
O frio inverno.
Invade meu ser.
Não tem conotação ruim. Só quando se perde um amor ou ente querido nesta época, ai sim, talvez o frio ganhe conotação extremamente triste.
Mas estou feliz, pois posso me aquecer...
E tenho a chama certa para esta lareira.
Lareira do Amor.
Que aconchego traz nos dias de tremor.
Fagulhas cintilantes no céu: as noites invernais são as mais cristalinas. São límpidas.

2 comentários:

K. disse...

Hahaha!
Venha ver o que é uma brisa gélida!
E dormir abraçadinho debaixo do meu cobertor, amor.

Leandro Vieira disse...

Ahh... mas pegue a baixadona da FAFIPA, próxima ao riacho, e de biz à 100 km hehehehe...
Só por Deus!
E por um "daqueles"!!!