domingo, 29 de agosto de 2010

Aurora

De repente o sol se levanta no horizonte
A luz atinge o pico dos montes
E o verde dos prados e das folhas;
Nenhum som à não ser o dos pássaros
E um de inseto característico das manhãs
Além da gramínea um imenso lago se encontra
Em meio às águas tranquilas um barco flutua
Talvez ele segue seu percurso para o norte ou sul
Ou talvez apenas a atravessar está
Longe,bem ao longe do horizonte se divisa
Uma história para contar...
Um conto perdido em meio aos montes
Esperando alguém subir até o cume
E apanhá-lo para um dia contá-lo!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Crises Atuais

O sentimento de posse que se encontra nas relações amorosas é um fenômeno característico do namoro e do casamento. Não é o mesmo que ocorre, por exemplo, nas amizades (apesar de haver pessoas que sentem uma espécie de ciúme de seus amigos). Quando um rapaz namora uma moça, ou vice-versa, o sentimento de que um pertence ao outro é, de alguma forma, algo latente no cerne da relação. É como se tal sensação já viesse junto do "pacote de namoro".
Poderíamos perguntar, então, se o sentimento de pertença não é algo advindo do "vínculo" afetivo específico entre um homem e uma mulher, isto é, uma sensação que só acontece se ambos estiverem satisfeitos um com o outro e, além disso, manterem um objetivo similar entre si.
Se tal sensação se esvaece, uma possível causa seria a divergência no foco do horizonte de expectativas de um ou de ambos. Esta divergência significaria então uma das mais importantes causas para uma "despertençalização" amorosa. Um "desvínculo" afetivo específico. Como se alguma coisa tivesse se rompido interiormente entre os dois.
Vivemos a vida buscando encontrar horizontes mais estáveis. Mas como encontrar horizontes mais estáveis se nossa maneira de agir perante a vida é desregulada? Desregrada... Desmedida...
Vivemos um caos em nossos pensamentos! E mudamos muito rápido de idéia. Hoje em dia as pessoas não costumam lutar mais por seus objetivos e sonhos.
Não se combate o bom combate em nome da própria identidade. Não se faz mais Guerra Santa em nome do que é valoroso.
Estamos relativizando tudo, deixando tudo sem parâmetros morais a não ser o parâmetro do "tudo pode".
Nossas relações amorosas estão se mesclando ao novo sistema de vida. Não estamos mais vivendo promessas, entrega, confiança, sonhos. O mundo e os dias ditam as regras agora. E quem não se enquadrar dentro deste padrão, ou seja, quem não entrar nesta onda, está perdido.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Do "Peso"

A interpretação sobre a questão "suprir o vácuo parterno" não é descartável. No entanto não é a "única" razão pela qual estou contigo.
É claro que há uma coisa além da amizade puramente dita. Também não há como estar, e manter-se estando, com uma pessoa "sem que se goste desta da maneira como ela se apresenta: isto é, como homem, ou como mulher".
Você é mulher, antes de mais nada, e, como tal, gosto de ti.
Na verdade, sua dúvida provavelmente veio de às vezes eu sentir que você não manifesta comportamentos feminis estereotipados. O que quero dizer com isto? Quero dizer que preciso de certos tipos de "deixas", como acontece no teatro quando um personagem depende da última fala do outro para dizer a sua; preciso que haja uma comunicação não verbal explícita e implícita entre a gente. Por eu às vezes não ter tido certas "deixas", não manifestei poesias nem outras coisas que dizem respeito a um debruçamento amoroso.
Quanto a questão do "ser um peso", talvez você sinta isto por estar buscando duas coisas ao mesmo tempo: querer alcançar um lugar ao sol, ou seja, em se tratando da bendita vaga na universidade, e também viver um relacionamento que, por hora, é impossível de se manter na proximidade tátil. E por você "sentir" que eu "preciso" de tua companhia "próxima", começa a pensar que há algo errado, ou no mínimo angustiante.

Quanto a questão "astrológica", é difícil levar a sério. Mas, tendo que a maioria dos atributos geralmente "bate" com os fatos, é invevitável que se diga a respeito e, automaticamente, use-se tais fatores para se comentar.
Mas se é um fator que causa "ódio", tudo bem, é só cessar de comentar.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Tragando a vida

Vivendo a vida com intensidade. Sorvendo o néctar dos dias com avidez. Contemplando todas as coisas com distintos olhares. É assim que eu sou. É assim que eu vivo.
Pois se não for para ser profundo, pra mim, não vale a pena o mergulho. Se não for para chegar ao destino, não compensa viajar a esmo (a não ser que este seja o objetivo). A vida é cheia disso. Um dia você acorda e pensa sobre como deveria ser o mundo. Outro dia você se levanta e nem se lembra mais dos seus próprios sonhos.
Sonho. Olha só. Que engraçado. Às vezes a gente acorda e não se lembra do próprio sonho. Acho que assim também acontece com nossos outros tipos de sonho. Nossas metas se perdem na balbúrdia dos dias. Mas ninguém está nem ai para o que sonhamos. O mundo quer lucro em cima de lucro. O mundo não quer saber se você é bom, cristão, e se ajuda as pessoas.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Fraternidade

Quando você acordar, abrace quem estiver morando contigo. Um abraço vale muito para o ser humano. Mesmo que não pareça, ao abraçar alguém, de coração, desejando tudo de melhor, de bom, isto é o que faz a vida da gente mudar de aspecto.
O tato é algo importante para o espírito. É uma comunicação direta da alma para o coração.
Você pode até não perceber, mas a cada vez que cumprimenta um amigo com um abraço, a atmosfera se recria entre ambos. A fraternidade humana é uma jóia única no meio vivo.
Desfrutemos das nossas virtudes e da bondade latente em nosso interior.
Alimentemos o bem, com esperança, perseverança, atitude!
Sorria. Seja simpático. Seja feliz ao trazer felicidade ao ambiente no qual vive, ou convive.
Mostre às pessoas do que você é capaz para fazer o verdadeiro Amor florescer entre os homens. E assim demonstrarás que Jesus não é charlatão, nem ficção humana.
Ao abraçar, dar um beijo no rosto, sorrir para as pessoas, mesmo que sem um motivo aparente. Digo que o fato de se encontrar com alguém numa calçada já é um motivo para sorrir.
Por mais que seja difícil. Sorria. Mostre amor, e receberás Amor.
Confie. Siga em frente. Ame. Deixe-se amar. Mantenha o foco vivo, contando com o Amor incondicional de nosso Pai Celeste.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O Lago

Se uma só vez mergulhasses
Neste lago tão imenso e profundo
Onde criaturas exóticas habitam
Nas profundezas escuras de tal mundo...
Talvez não voltarias a ver
Com os mesmos olhos de outrora
A luz do sol cintilante
Que se te apreseta agora

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Do Amor

Conversando com um professor de Filosofia, debati um pouco sobre o que é o Amor.
Claro que a maioria das pessoas não param para pensar em coisas importantes como esta. Querem mesmo é correr atrás do lucro material e depois apenas descansar.
O amor, como disse o professor Elias, não pode ser confundido com o desejo sexual, ou com a busca por satisfação do prazer. O amor é uma soma de coisas.
Não se pode dizer que o amor é apenas o querer bem, ou sentir determinada sensação ao estar próximo de determinada pessoa. O amor é, na visão dos gregos antigos, a sabedoria plena.
Para os cristãos, na bíblia, o amor transcende as esferas até mesmo da fé e da esperança. É o centro da razão do existir humano.
O amor é visto de diversas formas por cada cultura no mundo. Mas uma coisa é certa: é a coisa mais bela e boa que o homem já pensou a respeito.
Quero amar, ser amado, e viver rodeado de circunstâncias amorosas. Não quero viver nas doenças da alma, como diz pe. Paulo Ricardo, quero buscar sempre a sobriedade espiritual e carnal.
Quero ser feliz ao fazer as pessoas que amo felizes. E deixar de dar ouvidos às paixões da alma, como a gula, orgulho, ódio, inveja, etc etc...
Particularmente acho que o amor é como a cor que se dá ao céu...
Ao brilho que se junta às estrelas...
Ao verde que cobre os prados e florestas...
Ao brilho de cada nascer do sol no horizonte...
O amor é o tempero da comida...
As cores do arco-íris...
O sorriso que conforta...
O abraço que consola...
O beijo que une...
O olhar que conta histórias...
O amor é a solução para todos os problemas criados pelo homem.
"Só o amor vale tudo na vida".

domingo, 15 de agosto de 2010

Disparidades

Como é difícil a convivência entre as pessoas neste mundo. Notem que o homem é um ser social por natureza, mas apesar disso é ele quem causa os transtornos sociais mais estapafúrdios, em contraste com os demais animais.
Nossas relações sempre contém intrigas, desentendimentos, atritos, rixas, e diversos outros tipos de problemas de cunho social.
A complexidade do pensamento causa, penso eu, as disparidades entre os homens. A razão deveria ser o ponto virtuoso e não catastrófico das relações.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Do Meu Amor

Meu amor, quero que saibas:
De vez em quando, nos momentos mais imprevisíveis...
Quer eu esteja trabalhando, quer esteja estudando, me preparando para dormir ou ao acordar...
De repente me vem à memória a tua existência. Lembro-me de você.
Ah! quão feliz fico!
É inexplicável. Subitamente me vejo rodeado de planos para o futuro. E o fato de já termos superado tantas intempéries em nossa relação me surge à mente como a sensação de quem ergue a cabeça para fora d'água, após um longo e sufocante mergulho.
Alivia-me pensar em nós, como estamos. E poder respirar o ar dos nossos sonhos.
Sim. Estamos construindo sonhos, pouco a pouco. E sei que, com a minha e a tua índole, conseguiremos alcançar horizontes longínquos.
Poderemos desfrutar de uma vida hiper-mega-super feliz.
Tudo isso baseando no que vivenciamos no presente. Não são meras utopias. São planos com fundamentação presente.
Quero que saibas que tua presença é cruxial em minha vida. Pois sou o tipo de homem que anseia por encontrar um par para conviver, e desfrutar da companhia.
Simplesmente quero viver esta parceria contigo. E no que depender de mim, lutarei para fazê-la feliz. Ainda que tenha de errar muitas vezes até perceber o que estou fazendo de errado. Se combinarmos de rezar pedindo tolerância extra a Deus, todos os dias, poderemos viver equilibradamente felizes.
É isso ai, meu amor.
Vamos louvar a Deus em nossa relação. Fazendo de nossas vidas, juntas, uma verdadeira oração de agradecimento e alegria.
Encontramos obstáculos o tempo inteiro, mas isto não significa que só porque é difícil tenhamos que desistir de construir nossas vidas. Tudo conspira a favor daquele que luta pelo que anseia ter e "ser".
Proponho que busquemos o Ser e não o Ter.
Ao invés de buscarmos felicidade, busquemos ser felizes já. Ao invés de buscarmos a paciência e a tolerância um para com o outro, SEJAMOS mais pacientes e mais tolerantes desde JÁ.
E assim, com certeza, viveremos em paz e em constante progressão existencial.
Lutemos contra nossos fantasmmas, conquistemos o império de nossos medos e frustrações.
Pois somos duas águias que alcarão um pleno vôo rumo ao Norte dos nossos sonhos.

Do que me Agrada - do que eu Preciso

Para bem eu me sentir
De uma coisa eu preciso:
Do teu beijo e teu abraço
Teu olhar e teu sorriso

Tu és linda e quero sempre
Contemplar-te em minha vida
Para juntos caminharmos
Eu e tu, minha querida!

Quando estou sozinho, à noite
E perdido 'inda me vejo
Lembro já do teu semblante
E do gosto do teu beijo

Dos momentos que deitados
Em minha cama já passamos
Lembro bem dos maus bocados
Mas já sei que superamos

Nosso amor é um tesouro
Que ganhamos lá do Céu
Vale mais do que o outro
E é mais doce que o mel

Para bem eu me sentir
De você logo eu preciso
Pois já não posso mentir
Nem deixar você partir...
Nosso amor é assim conciso




O Segredo

Nossos sentimentos são os parâmetros de nossos pensamentos. Diz o livro "O Segredo", de Rhonda Byrne. Significa que o que estou sentindo diz respeito ao que estou pensando. Se me sinto bem, é impossível estar pensando em algo ruim. Se me sinto mal, é ilógico que esteja pensando em algo bom.
Acho que tanto os sentimentos influenciam nos pensamentos quanto o contrário.
Segundo esta obra, meus pensamentos-sentimentos possuem uma frequência, e esta mesma frequência encontra-se com outra da mesma categoria em essência. Quer dizer então que é como uma antena que capta os sinais de rádio ou TV. Se bem sintonizada, captará um bom sinal.
Traduzindo o que o livro quer nos mostrar, significa que nossos sonhos geram frequências que repercutem no universo, e, este, por sua vez, devolve na mesma moeda.
"O que está dentro é como o que está fora", diz no início do livro, como citação de um fragmento datado de 3 mil anos antes de Cristo. É a tal da Lei da Atração. O que você deseja receber, precisa emitir em forma de pensamentos-sentimentos positivos e convictos.
Se eu quero um carro melhor, preciso me concentrar no carro que "quero" ter, e, em seguida, acreditar que já o tenho num espaço cosmologicamente correspondente.
Ora, isto já fora dito nos Evangelhos, por Nosso Senhor Jesus Cristo.
"O que pedirdes em oração, acreditais que já o recebestes de vosso Pai Celeste".
É a mesma coisa. Só que no caso do livro da senhorita Byrne não se fala em Deus, no Pai. Trata-se apenas de um princípio antropocêntrico, onde é o homem quem tem o poder de conseguir TUDO o que quer. É o homem quem decide por sua vida, sem o consentimento de Deus. Na verdade, o livro não abre janelas para que Deus mostre sua face. É totalmente de ser humano para ser humano.
Mas é claro que, em partes, ela está certa. Uma vez que Deus criou o mundo com leis naturais de causa e efeito (podendo ser que o Segredo esteja dentro destas).
Só que ela "optou" por ocultar "quem" é que criou tais leis.
E se esqueceu de que é o Pai que "decide" se realiza ou não determinados sonhos.

Agora, voltando para a minha vida particular. Vejo o magistério, os lugares que frequentarei, as sensações das quais desfrutarei, a mulher com quem me casarei, os filhos que educarei, a felicidade que vivenciarei...
Porque acredito no Pai, e sei que Ele me ouve.
Sim, eis o Segredo da felicidade, do sucesso, da paz de espírito:
Acreditar que se é ouvido; e que não se está só neste mundo insano.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Relativismo Ideológico

Já não há mais como negar a visão relativista das pessoas com relação à religião, cultura, opção sexual e etc. Vivemos num mundo "moderno", no pior sentido que a palavra possa ter. A liberdade chegou ao ponto de se confundir com libertinagem.
Você corre o iminente risco de não poder ter uma opinião pessoal sobre determinados assuntos, porque poderá levar um baita dum processo e se danar por isso.
Estamos vivendo uma acentuada inversão de valores nas áreas mais polêmicas da sociedade.
A era da razão, no iluminismo, trouxe para os tempos atuais uma forma obscura de entender "as coisas do alto". E tudo se traduziu num aglomerado que gerou o que chamamos de sociedade moderna.
A humanidade caminha para a perdição, e essa expectativa pessimista é a mais amena possível em relação ao que se observa por ai.
Daqui um tempo você poderá ver pelas ruas um casal homossexual dando pipoca aos macacos no zoológico com seus "filhos" brincando junto, ou comunidades de ateus ridicularizando as sagradas imagens religiosas cristãs e, o pior, com "direitos" a fazerem tal coisa.
Milhares de fetos serão lançados nos lixos dos hospitais, com a legalização abortiva. E todos cruzarão os braços e suspirarão, dizendo: "enfim, esta é a realidade, é a vida, é A LEI".
Todo mundo está adotando para si a relativização de posicionamento humano. Se você vir um grupo de pessoas querendo se casar com animais, lutando por este direito, vai ser obrigado a ter a opinião de que tal fato é uma coisa "normal" e aceitável perante a sociedade. Simplesmente porque tais indivíduos "amam" os animais ao ponto de quererem contrair matrimônio com os mesmos.
É a lei do "deixa acontecer", "que é que tem?", "por que não?" e etc.
O estado deveria tomar muito mais cuidado com as coisas que legaliza por ai. Pois legalização é uma coisa perigosa em diversos pontos.
Se continuar assim, não demorará muito tempo para que a terceira guerra mundial aconteça.
A lei só deve existir em prol da ordem, para combater o que é caótico na sociedade. Se existe uma força que nos mantém seguros aqui na terra, é por causa da Lei da Gravidade, que prende os astros e coloca ordem no galinheiro espacial.
Assim como acontece no espaço sideral, também no espaço legislativo se faz necessário uma lei que gravite as pessoas para a melhor e mais civilizada conduta social possível.
A legalização de coisas que não convém legalizar só trará o caos novamente. Como na brincadeira dos palitinhos: uma hora você coloca aquele que derrubará todos os outros.

A Poesia

Todos os dias você pode ler uma poesia. Mesmo que não tenha nenhum livro na mão. A poesia pode estar em qualquer lugar. Basta ter olhos para vê-la, e coração para sentí-la.
A poesia está no canto dos pássaros. Na brisa fresca da manhã. No bom dia amigo do vizinho. Nos primeiros passos do bebê.
A poesia está nos olhos do idoso. No abrir da janela. No abraço fraterno. No primeiro beijo. Está no verde dos prados. No cume dos montes. Na ordem no caos.
A poesia está na prosa de varanda. Na estrada solitária. No céu nublado. Nas estrelas noturnas.
Na Lua está sua graça. Está também nas luzes da praça. A poesia é assim. Um mar sem fim.
No amor está sua essência. Por isso digo que está também naquela tarde de quarta-feira, ao sabor do jardim do Teatro. Você e eu narrando causos de nossas vidas.
E um beijo acontece....
A poesia está naquele beijo também.
Está no "eu te amo" que digo agora.
E no " estou com saudades meu amor".

Polêmica

Hoje eu gostaria de comentar sobre um assunto polêmico. Um assunto contemporâneo e de extraordinária importância social. Quero falar um pouco da política em relação ao movimento gay na sociedade.
Em primeiro lugar, não quero aqui defender nenhum tipo de opinião em relação ao assunto, tampouco falar sobre como deveria ser a humanidade ideal para se viver.
Pois falar dos "como-deveria-ser" é falar de opiniões particulares, e hoje quero apenas expor fatos e, a partir destes, fazer uma breve análise crítica.
Como dito, não tenho a intenção de dizer o que é certo ou errado na cama, mas gostaria de abordar a questão político-social concernente ao poder.
É sabido que o movimento gay busca conquistar um "lugar ao sol" das diretrizes legislativas, isto é, um patamar legal de coexistência social. No entanto, este "lugar ao sol" requer medidas que mexeriam nas configurações legislativas de modo a, consequentemente, afetar o bom convívio entre os cidadãos heterossexuais.
Por que se diz que iria afetar o convívio hétero?
Simplesmente porque a polícia teria de prender muitas pessoas por acusação de "homofobia" - preconceito ou rancor deliberado ao homossexual.
Claro que seria muito bom que houvesse justiça perante qualquer espécie de preconceito. Mas com tal legalização, se pessoas como os católicos, por exemplo, apenas mencionassem o que sua religião prega há milênios sobre o homossexualismo seriam processadas pelos gays por se oporem ao movimento, e, portanto, à nova lei.
Entendem aonde quero chegar?
Bom, se ainda não está claro, darei continuidade ao raciocínio.
Repito que não estou manifestando ódio, nem mesmo preconceito com relação à relação homossexual, mas estou me opondo a busca por direitos que, se aprovados, violarão a lógica.
Para entender com maior profundidade do que estou falando, note-se o seguinte. Se você perguntar a um gay o que significa para ele "Navio Negreiro", como sugere Olavo de Carvalho, com certeza ele saberá do que se trata. Pois tal termo refere-se a uma sauna onde vários gays frequentam para transarem com pessoas que nunca viram na vida. Uma verdadeira orgia.
Agora acompanhem-me o raciocínio de revolta: se dentro de uma relação hétero temos leis que dizem o que é correto e o que é sem-vergonhice, como no caso de um marido que trai sua esposa com a vizinha ou coisa parecida, POR QUE cargas d'água dentro do relacionamento gay TUDO tem que ser sacrossanto e bem visto pela sociedade? Temos que educar nossas crianças dizendo que TUDO o que os gays fazem é normal? Sacrossanto? Igualzinho uma relação de papai-mamãe?
Ora P***a!!!
Digo isto pois sei que a possível aprovação das atitudes gays de forma legal dirá que é preconceito chamar um lugar como o "Navio Negreiro" de sem-vergonhice.
Repito novamente. Dentro de uma relação hétero existe nitidamente a diferença entre uma relação matrimonial e uma relação de gandaia. Agora, dentro da relação homo, estão nos querendo fazer crer que TODA relação é coerente, aceitável, legal.
Mais uma vez: Ora, P***A!!!
Se na relação hétero existe o que é matrimonial e o que é sem-vergonhice, dentro da relação gay TAMBÉM tem que haver a distinção entre o que é matrimonial (se é que isso é possível) e o que é safadeza.
Estão (os gays) querendo nos impor que TODA relação homossexual é moral e correta. Sendo que dentro da relação hétero não é assim. Temos distinções.
Isto é um crime, é uma imposição iminente. É o fim do mundo.

Temos que ter em mente o que é certo. Temos que buscar o que é pertinente, lógico, o que é saudável. Não podemos fechar os olhos para esta questão. Os gays no poder, ensinando nossas crianças a fazerem práticas homossexuais NÃO é legal. Nem legal perante as leis, nem legal perante à natureza.
Não estamos discutindo se existem casais gays que respeitam-se mutuamente, que são fiéis entre si; estamos discutindo a opressão gay perante a sociedade.
Estamos passando por um novo império, onde as coisas estão perdendo seu valor. Está-se invertendo as coisas.
Não devemos ser radicais ao ponto de perdermos nossas essência que é Deus, amor, paz, fraternidade e dignidade.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Poemisse

Qual Lua no céu a brilhar
És tu aqui em meu coração
Sempre linda, a me iluminar
Nestes dias de escuridão

Contos os dias só pra te ver
Na internet ou ao telefone
Pois tu és o meu bem querer
Meu sorvete, formato cone

É engraçado olhar-te assim
Procurando encontrar segredos
Superando do amor os riscos
E vivendo a vida sem medos

Eu te amo e te quero aqui
Bem pertinho do coração
Pois contigo sou tão feliz
Só contigo vejo a razão

Somos loucos mas tão sensatos
Quando amamos em versos bons
A poesia dos nossos atos
Só revela que temos dons

Para sempre Jota, Ká, Éle
Para sempre num mesmo amor
Vamos manter esta promessa:
De buscar só em Deus clamor

Da Crise de Valores Humanos

"Vós sois o sal da terra" dizia Cristo. "Ora, se o sal perde o sabor, com que havemos de temperar o alimento; não o jogaríamos fora se isso acontecesse?" concluía Ele, visto que se a única utilidade do sal fosse perdida, perderia sua razão de utilidade, e logo seria lançado fora. Certamente Jesus estava se referindo aos valores que uma pessoa (ou comunidade) pode (e deve) ter pela vida. Se um indivíduo não possui valores, com certeza vai agir caoticamente, isto é, sem parâmetros para designar as causas éticas ou morais de suas atitudes sociais (ou até mesmo individuais).
A vida é cheia de valores, e, por isso, tem mais sabor; pois são os valores pessoais ou sociais que dão mais sabor ao existir humano. Somos humanos porque possuímos valores. E porque cremos em alguma coisa enquanto respiramos por aqui. Não apenas por pensar (e pensar subentende-se por criar e administrar valores também), mas por agir de acordo com aquilo que pensamos sobre as coisas, ou seja, nosso sistema de valores.
Se o dinheiro, que é, substancialmente, meramente papel, perdesse o valor que possui na sociedade, é óbvio que não seria mais utilizado, nem produzido.
Compramos porque temos dinheiro. Temos dinheiro, e, de acordo com o valor desse dinheiro, compramos determinadas coisas. Cada coisa com seu respectivo valor de mercado.
Claro que estou me respaldando, a princípio, numa ideia materialista, mas não quero focar neste aspecto dinheirista em relação ao "valor".
Falo do valor moral, daquilo que parametriza nossas atitudes e regras.
Se sou cristão-católico, por exemplo, significa que acredito e preservo determinados valores concernentes ao cristianismo católico. Não significa, por exemplo, que sou preconceituoso com relação aos homossexuais, quando afirmo ser um pecado tal ideia. Pois quando afirmo ser um pecado, estou afirmando a fé de minha igreja, e não um pré-conceito "contra os gays".
Esse tipo de coisa tem que ficar bem claro entre as pessoas. Se digo que sou contra o aborto, não estou dizendo que estou com preconceito científico, contra o progresso da biologia, mas quero dizer que sou contra a morte de entes indefesos, que não tiveram partido num debate intelectual para definir a validade ou não de sua própria vida enquanto "semente-humana".
Quando defendo determinadas ideias, é preciso analisar de onde vem a crítica que faço, sé é pessoal, religiosa, ou filosófica.
Os valores da sociedade contemporânea parecem caóticos; acredito que seja consequência da globalização desenfreada.
O contato multi-cultural faz esse tipo de coisa com nossos valores. Misturando aqui, misturando lá, onde vamos parar?
Mas também não quero dizer que a cultura deve ficar estacionada, presa, fechada em si mesma. Devemos ter bom senso com as coisas.
Valor é uma coisa que deveria ser prezada SIM! Não devemos prescindir disso. Pois são os valores que determinam nosso progresso... ou regresso.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

A Noite da Decidida

- Senhor, o vosso vinho francês.
- Oh! obrigado.
- Vai querer pedir o jantar?
- Oh! não. Ficaremos só no vinho esta noite. Obrigado.
- Fiquem à vontade.
O garçom se retira e os deixa a sós, livres para voltarem à interrompida conversa de antes.
Ele, com olhar compenetrado em sua taça, pergunta novamente o que ela não teve a oportunidade de responder.
- Então, vai mesmo partir? E sorve lentamente o néctar destilado, apreciando-o com condescendência.
- Sim, eu vou! Não tenho escolha contra mim mesma. Sou assim, e pronto.
- Gostaria de dizer uma coisa a você. Nunca disse o quanto é difícil para mim concordar com tuas atitudes aparentemente impensadas, mas... queria que soubesse... te amo mesmo assim!
Tomando a taça pela mão direita, ela sorve, por sua vez, a bebida que cintilava ao sabor das luzes ambientes. O vermelho de seu vestido enamorava-se da cor daquele licor em sua taça, fazendo par com este num só tom de escarlate.
Ela hesitou por um momento, pensando nas palavras, escolhendo-as com a mesma sutileza com que decidira-se por qual roupa vestir para aquela noite tão especial.
Por fim perguntou.
- Você vem? E baixando a taça até a mesa, levantou os olhos e o encarou com enfática curiosidade feminil.
- Adivinhe... Misterioso, ele devolveu por seu turno.
- Não faço a menor idéia do que esteja pensando. E tomando a taça, tragou mais um doce gole.
- Na verdade você até que deveria fazê-la, deixando de negar-te à própria regozijosa imaginação.
- Não entendi.
- Não precisa. Falarei em outras palavras: eu já disse que te amo. Irei contigo a este lugar tão magnífico.
- Mas você disse...
- Shhhhhh!... Eu disse sobre outras coisas. Você sabe. Nós temos nossos motivos para dizer o que dizemos e nos irritar com o que nos irritamos. Mas você pode ter certeza; com você eu posso ser feliz como nunca o fui antes. Posso cavalgar a realidade com as asas da fantasia mais extasiada. Porque já me decidi sobre nós.
Somos assim: a oposição que o vento causa à pipa, que sobe e sobe. Afinal, no fundo, tudo o que eu mais quis era fazer esse tipo de coisa. E agora sei que posso, e vou fazer.
- Então quer dizer...
- Sim! Eu vou contigo, meu amor.
- Nossa, amor...Eu... Eu...!
E ela se levanta ao não se aguentar. Sorrindo como uma criança ao receber seu presente de Natal. E levantando-se, ambos, percorrem o jardim interno do ambiente, próximos ao chafariz com formato de cisne, e ali, de mãos entrelaçadas, seus lábios se tocam lentamente, embriagando-os de vinho, de amor, de sonhos...
A chuva escorria pelo vidro lá fora. Luzes de faróis se moviam para lá e para cá.
Aquela foi a noite da decidida. Decidiram-se. Uma nova aventura os aguardava em...

Dos Super-Heróis

Antigamente, na minha infância e adolescência, os super-heróis eram mais "saudáveis". O que eu quero dizer com isto? Significa que os personagens de quadrinhos e séries de TV apresentavam bons modelos para as crianças como: uma boa conduta moral a ser imitada, lutavam pelos valores da vida, pelo amor, pela honra, pelo bem, pela paz etc.
Hoje em dia nem mesmo a Globo nem o SBT (as mais famosas) transmitem aqueles bons seriados em suas programações matutinas. Mostram, sim, desenhos desmiolados, destituídos de formação moral, não defendem valores de nenhum tipo, atendem apenas ao lado lúdico (e de forma vazia). E se apresentam algum daqueles bons desenhos no meio de suas programações, é meramente insuficiente perante tanta porcaria.
O conteúdo transmitido por nossas transmissoras de TV tem se mostrado decadente no quesito "alimentação da fantasia" infanto juvenil.
Talvez a internet tenha contribuído, em muito, para tal fato. Hoje em dia os jovens querem mesmo é ficar diante de uma tela de computador, zapeando, navegando, batendo papo, assistindo a vídeos no Youtube etc.
E como nas décadas anteriores nós só tínhamos a TV como entretenimento virtual (salvo os video-games), talvez fosse mais fácil "prender" a atenção da juventude através da mesma. Mas hoje a TV disputa com o computador principalmente. E é difícil, uma vez que a internet possibilita a sensação de liberdade de ação, de escolha, enquanto a TV só apresenta aquilo que os organizadores de mídia quiserem transmitir.
O importante, no entanto, é que nossas crianças estão mal supridas de materiais saudáveis em termos de fantasia e escape.
Poderia traçar um paralelo entre o que a mídia moderna mostra e o que os autores de literatura infanto juvenil escrevem ultimamente, mas só confirmaria o que a crise dos super-heróis da TV já nos mostra.
Pergunto sobre o que poderia ser feito, através do governo, dos professores, dos críticos literários, dos filósofos, psicólogos, clérigos, pensadores e leigos em geral, sobre esta questão. Pois parece que a população não se atenta muito à questão da formação do fantástico para as crianças e os jovens.
Se uma criança cresce rodeada de bons heróis, os quais defendem o mundo do mal (e esse sendo não só constituído de monstros, mas também de políticos corruptos e falsos profetas da sociedade), com certeza se transformará num bom adulto futuramente, e quem sabe não se tornará um verdadeiro super-herói para a humanidade crescente.
É nas crianças que depositamos confiança para um futuro "diferente" do nosso presente. E, por isso, não podemos negligenciar que estamos tratando os sonhos infantis com indiferença, pensando apenas em nossos interesses e anseios pessoais.
Cresçamos juntos com os jovens.
Criança feliz = adulto bem sucedido.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Parâmetros de Vida - Crises de Valores

O ser humano sempre tem uma razão por trás de suas atitudes. Suas ações obedecem a uma lógica causal. No entanto nem todas as pessoas procuram mentalizar sobre estas causas, ou até mesmo em justificar-se perante certos equívocos cometidos.
Deveríamos ter em mente, antes de mais nada, qual o partido ideológico-cultural no qual nos encontramos introduzidos, isto é, baseados em que idéia agimos como agimos.
Pelos fatores sociais é óbvio que a maioria não faz reflexões a respeito das possíveis causas para os padrões de atitudes tomadas.
Se um indivíduo é budista, por exemplo, então suas atitudes "deveriam" estar explicitamente de acordo com os padrões ideológicos do budismo. Mas se este mesmo indivíduo insiste em tomar posse de ações que não condizem com sua cultura budista, ora, então não se deveria proclamar como pertencente à tal partido cultural. E o mesmo vale para os católicos, protestantes, ateus, maçons e etc.
Estou falando a respeito das pessoas que não seguem aquilo que se proclamam estarem afiliadas culturalmente.
A cultura é a lente pela qual uma sociedade enxerga a vida em sentido geral. Logo, não se pode procurar as razões para determinados atos de um cidadão criminoso, por exemplo, sem antes averiguar sua cultura (no caso de um kamikaze japonês, ou um homem-bomba islâmico).
A cultura determina (ou deveria pelo menos) os padrões de atitudes humanas.
Se honramos o domingo e o consagramos ao descanso do trabalho, é porque somos cristãos, devotos de Jesus Cristo, reconhecendo nEle a santidade e a "causa", ou "justificativa" para que tal dia não seje igual a uma segunda-feira, por exemplo.
A cultura é o parâmetro de uma sociedade. Nela encontramos sua fé, sua ideologia, sua meta, seu valor em aspecto geral.
Hoje em dia parece que estamos vivenciando uma desculturalização globalizada. Todos os países parecem estar desvencilhando-se de suas próprias crenças e ideologias transcendentais, o que parece estar causando o surgimento de uma nova sociedade niilista iminente. Parece que estamos no início de uma "nova-era".
Sem valores o indivíduo não tem por que respeitar os direitos humanos, ou respeitar os deveres civis, pois não crê em tais valores.
Proponho que sejamos chamados, novamente, a dar as razões da nossa fé, como o diz a Sagrada Escritura.
Precisamos reafirmar nossos valores transcendentais, e alicerçá-los novamente, e, desta vez, com maior profundidade para prevenir futuras crises de valores.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Dias Cinzentos

Hoje o dia está cinzento. Não falo no sentido simbólico, me refiro ao clima mesmo. E, em dias assim, me sinto um tanto melancólico. Sinto algo meio inexplicável. Talvez o fenômeno esteja relacionado a algum fato passado, em minha infância ou coisa parecida.
Mas a questão é que, em dias assim, tudo o que se passa pela minha cabeça é mergulhado direto no lago de meu coração, e lá é sentido.
Por exemplo: se imagino o futuro, sinto a iminência de catástrofes ambientais, sociais, amorosas, morais etc. Se imagino o passado, sou levado a lembrar das piores mazelas da humanidade antiga. Lembro também dos dias tristes de minha infância, ou dos momentos mais melancólicos de qualquer época passada mais recente. É assim, o dia influenciando-me a "sentir" tudo num tom melancólico.
Será que isto é uma característica de pessoas emocionais? Ou talvez todos sintam, em menor ou maior grau, tal influência externa...
Hoje está um bom dia para escrever. Um dia que inspira o "cinza" da vida. Sei lá. Como já disse, deve ser por causa da psicologia das cores. Cromoterapicamente diria que o cinza no céu de hoje inpira-me a cantar as canções em tom menor. A deixar sem colorir minhas ilustrações, largando-as meramente à lápis mesmo.
O frio me abraça na ida e na vinda pro trabalho. E o frio também me sussurra aos ouvidos que minha namorada está distante de mim. A quilômetros e mais quilômetros daqui.
E é nessa hora em que me lembro de quando estávamos tão próximos. Quando eu não tinha de imaginar como seria se ela estivesse pertinho de mim. Sabe, estas coisas a gente imagina só quando a namorada está, infelizmente, longe. E pensamos no quão bom eram aqueles momentos tão simples, mas tão carinhosos. Momentos que agora são memórias preciosas. E acredito que é com tais memórias que a gente cria expectativas promissoras para o futuro. Pois com estas boas lembranças a gente é capaz de sustentar nosso coração, alimentando-o com amor e esperança.