quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Dos Super-Heróis

Antigamente, na minha infância e adolescência, os super-heróis eram mais "saudáveis". O que eu quero dizer com isto? Significa que os personagens de quadrinhos e séries de TV apresentavam bons modelos para as crianças como: uma boa conduta moral a ser imitada, lutavam pelos valores da vida, pelo amor, pela honra, pelo bem, pela paz etc.
Hoje em dia nem mesmo a Globo nem o SBT (as mais famosas) transmitem aqueles bons seriados em suas programações matutinas. Mostram, sim, desenhos desmiolados, destituídos de formação moral, não defendem valores de nenhum tipo, atendem apenas ao lado lúdico (e de forma vazia). E se apresentam algum daqueles bons desenhos no meio de suas programações, é meramente insuficiente perante tanta porcaria.
O conteúdo transmitido por nossas transmissoras de TV tem se mostrado decadente no quesito "alimentação da fantasia" infanto juvenil.
Talvez a internet tenha contribuído, em muito, para tal fato. Hoje em dia os jovens querem mesmo é ficar diante de uma tela de computador, zapeando, navegando, batendo papo, assistindo a vídeos no Youtube etc.
E como nas décadas anteriores nós só tínhamos a TV como entretenimento virtual (salvo os video-games), talvez fosse mais fácil "prender" a atenção da juventude através da mesma. Mas hoje a TV disputa com o computador principalmente. E é difícil, uma vez que a internet possibilita a sensação de liberdade de ação, de escolha, enquanto a TV só apresenta aquilo que os organizadores de mídia quiserem transmitir.
O importante, no entanto, é que nossas crianças estão mal supridas de materiais saudáveis em termos de fantasia e escape.
Poderia traçar um paralelo entre o que a mídia moderna mostra e o que os autores de literatura infanto juvenil escrevem ultimamente, mas só confirmaria o que a crise dos super-heróis da TV já nos mostra.
Pergunto sobre o que poderia ser feito, através do governo, dos professores, dos críticos literários, dos filósofos, psicólogos, clérigos, pensadores e leigos em geral, sobre esta questão. Pois parece que a população não se atenta muito à questão da formação do fantástico para as crianças e os jovens.
Se uma criança cresce rodeada de bons heróis, os quais defendem o mundo do mal (e esse sendo não só constituído de monstros, mas também de políticos corruptos e falsos profetas da sociedade), com certeza se transformará num bom adulto futuramente, e quem sabe não se tornará um verdadeiro super-herói para a humanidade crescente.
É nas crianças que depositamos confiança para um futuro "diferente" do nosso presente. E, por isso, não podemos negligenciar que estamos tratando os sonhos infantis com indiferença, pensando apenas em nossos interesses e anseios pessoais.
Cresçamos juntos com os jovens.
Criança feliz = adulto bem sucedido.

Nenhum comentário: