quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Rosa

Uma rosa...
Uma linda rosa ao vento.
Suave balançar, no campo verdejante;
Em meio aos arbustos solitária estás?
Sozinha acaso estás em meio à densa floresta?
Oh! doces pétalas opalinas...
Tua seiva escorre por dentro desse coração.
Que brisa ao afagar-te agrada mais?

sábado, 25 de setembro de 2010

Senhor, dá-me o que eu preciso,
Não dê o que eu penso que necessito;
Mas se for da tua vontade aquilo que meu coração almeja...
Seja feito então, pela tua misericórdia e tua graça, conforme o Teu plano!
Amém!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

O Chamado

Eles estão chamando
Suas vozes ecoam pelas paredes do silêncio
Enquanto o Luar nos observa por aqui
Caminhando sempre sozinhos
Por uma estrada solitária
Eles estão pedindo para voltarmos
Mas antes é preciso passar pela provação
O grande ritual da existência
Pois tudo isso que vivemos é um grande cerimonial
Em louvor da essência do existir

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Penitência

Penitência é uma maneira muito útil e eficaz de se educar o corpo e o espírito. É uma forma de direcionar os impulsos instintivos que acometem o ser humano.
Diferente dos animais, o homem possui o saber das coisas. Pode pensar e refletir sobre as variadas situações que acontecem em sua vida.
Um cachorro, por exemplo, segue apenas seus instintos biológicos quando age. O ser humano, por sua vez, tem a capacidade de ponderar suas ações. Pode deixar de fazer algo que lhe daria prazer em prol de um motivo não tão prazeroso, porém justo.
A penitência é a própria disciplinação do corpo. Através dela o indivíduo pode "domesticar" paixões e desejos desenfreados. É uma maneira de instalar freios no próprio ser. Pena que a maioria não faz uso desta prática

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Poética Sonolência

De repente o sono embriaga meus olhos;
Não consigo enxergar um palmo a minha frente...
Pensamentos solapam nas paredes de minha semi-consciência.
Escrever sonolento é dirigir bêbado pelas estradas da poesia:
Não se enxerga as placas de trânsito da gramática...
E pelas curvas dos atos falhos se diz o que não se esperava.
Cá estou
Escrevendo sem porquê...
Apenas testando minha capacidade de burlar o sono
Tentando fazer manifestar algo adormecido em meu interior
Talvez alguma ideia brilhante a qual só encontre espaço "agora!"
Não, não dá!
Com sono é dose!
E aqui vou indo...
Minhas pálpebras pesam chumbo...
Não consigo pensar...
Não consigo...
Estou em plena meia-noite, tentando escrever algo
Tentando fazer o Vento Cantar fora de hora...
Mas o Vento só canta quando quer...
E quando está bem acordado para saber o que canta.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

It´s over!

Fizemos tudo o que podíamos para conviver com as diferenças. Lutamos contra o império da distância. Buscamos conversar, ainda que por meios virtuais. Superamos tempos difíceis. E apesar das divergências ideológicas, convivemos por um ano e alguns meses com as disparidades.
Mas a verdade é que não havia como alimentar algo que não prometia um futuro certo. Um namoro precisa de bases sólidas; algo que demonstre que uma relação amorosa vale a pena de ser mantida.
Então, somando nossas diferenças ideológicas à distância, e à carência maior de um dos dois, eu, ficava claro que não seria bom sofrer por querer manter tal relacionamento.
A verdade é simplesmente esta: não dá.
Agora devemos tocar nossas vidas da maneira como já estávamos fazendo. Até porque isto não vai mudar. Continuaremos distantes, e assim viveremos o resto de nossas vidas.