segunda-feira, 31 de maio de 2010

Horizontes Sagrados

Da janela meus olhos contemplam o passar das cidades
Nenhuma delas conheço a não ser a Capital...
E de repente, entre montes e serras
Lá está, um bom e Santo lugar
Onde os sedentos de espiritualidade procuram o refrigério de seus espíritos
Um manso lugar
Onde a música é o sabor do ar
E a Palavra em toda parte está
Uma tarde e uma noite e...
Logo estou em outro lugar
Lá... onde os joelhos se dobram em promessas a pagar
Onde os mais humildes e perdidos buscam redenção
E alguns curiosos perpassam indiferentes à Verdade que deveriam aderir...
O mundo gira...
E com ele gira o tempo que passamos em momentos tão doces
Contemplando o horizonte ao longe
E os cimos dos montes mais distantes
Construções humanas
Mas em Deus focadas e por Ele motivadas!
E assim chega a hora de voltar...
Despedir-se do Santo Altar...
E da Santa Imagem...
Voltar...
Três sonhos entregues...
Coração reconfortado...
Preces suplicadas...
Velas acendidas...
E finalmente o regresso ao lar...
Doce lar...
E ao amor voltar, com um sorriso entre os lábios e um brilho no olhar.