segunda-feira, 26 de julho de 2010

Contemplação

De repente me levanto e percebo que mais um dia nasce. Como é espantoso o mistério de viver; de estar aqui; e poder respirar em meio a tantos seres que partilham da mesma vida.
Tudo é tão esplêndido. Tudo é tão caoticamente bom. Parece que estamos em meio a um eterno enigma.
Entre padrões, ciclos e o caos das coisas, vamos existindo. Enquanto nossos dias se passam como fumaça que se dissipa no vento. Mas o Grande Enigma parece não se perturbar com a ausência de respostas... parece até que sua natureza é exatamente esta: ser enigmaticamente assim - um pleno enigma.
Então penso que tomar consciência da própria existência - do próprio ser, do que se é e do que se faz - é viver a vida como os pensadores a idealizaram.
A cada dia o sol traz uma nova oportunidade para todos. Um novo brilho. Um novo calor. Mas às vezes me esqueço de que isto acontece todas as manhãs, por detrás do pomar de meu quintal.