quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Princesa de Deus


Por onde andas, princesa do meu coração...
Dia e noite te procuro!
Procuro a tua face
Como uma rosa entre as milhares de um lindo jardim!
Oh! Linda das lindas...
Te quero junto a mim
Como o auxílio de minha vida!
Pois tu és de quem o toque suave me inebriará de Amor...
Tua voz em meus ouvidos cantará uma doce canção.
Oh! musa do meu veio artístico...
Por onde andas?
Quem és tu dentre as milhares?
Onde está tua face?
Encontrei-te?
És tu aquela que hoje me afagava os cabelos...
Quando diante do Santíssimo derramava minhas lágrimas?
Por favor...
Salva meu coração!
Seja a enviada de Deus em minha vida!
Por favor, Senhor...
Em nome do Amor!
Oh! princesa!
Encontrei uma princesa aqui!
Ela é simplesmente...
Princesa!
Queria vê-la sorrir sempre-sempre!
E que seu papel junto a mim, nesta caminhada rumo ao Céu fosse amavelmente profundo!
Que nós possamos desfrutar de uma união sagrada.
Contigo eu iria até as estrelas, para ficar mais próximo do Céu.
Louvo tua beleza, mas antes louvo a Deus por ela ser assim.
Não me esquecerei que existem pessoas assim!

...Mas oh! Princesa, salva meu coração!
Ele sucumbe na solidão!
Enquanto a fé tenta superar o Amor, eles choram pela indecisão!

Fé, Esperança e Amor...
A maior delas, porém, o Amor!
Mas insistem em por a Fé...
Senhor...
Ilumina este coração!
Oh! princesa!
Choro por ti!

A Lâmpada Enterrada


Ela tinha uma lâmpada prateada em suas mãos. Uma linda e reluzente lâmpada.
Mas certa vez decidiu enterrá-la nos fundos de seu quintal, próxima ao jardim que ela tão bem cultivava todas as manhãs.
Naquele jardim encontrava-se de tudo um pouco. Bromélias. Tulipas. Rosas brancas, vermelhas e azuis. Lírios e Bétulas. Tudo era tão vivo e lindo.

Mas aquela bela lâmpada ela enterrara. Talvez porque pensasse que assim fosse melhor para ela. Ou que fosse a única maneira de tê-la para si. Enterrada num lugar onde só ela saberia.
Não se sabe bem ao certo por quê. Mas ela não soube fazer nada além disso.
Tinha medo de mostrar aquela lâmpada cintilante aos olhos alheios. E temia a si própria perante seus próprios pensamentos. Tinha medo de si. Tinha medo!
Temia vê-la reluzir demais. Temia algo que nem mesmo ela sabia ao certo. Temia o desconhecido.
Seu medo maior era descobrir que aquele brilho provinha da Lua.

Combate

Você não vai me vencer!
Você não vai conseguir!
Você não vai tocar em mim!
Você não vai triunfar em seus planos diabólicos!
Você vai cair novamente, como sempre caiu!!!
Você vai provar o quão mal se dá aquele que tenta tocar um filho do Altíssimo!

Pois eu digo:

"A Cruz Sagrada seja a minha luz
Não seja o Dragão o meu guia
Retira-te Satanás
Nunca me aconselhes coisas vãs
É mal o que tu me ofereces
Bebe tu mesmo do teu veneno
!!!"

Tudo em Pró do Amor


Ontem o Sedex me trouxe uma carta. Abri-a. Continha um folha azulada com um texto manuscrito em letra corrida. Ao final um anel prateado. Dentro dele o meu nome esculpido por um ourives. Lembrei-me então do que se tratava. Era a despedida formalmente cordial de uma pessoa que por minha vida passou. Marcou. E hoje se foi para um lugar distante. Agora somos parceiros de um naufrágio. Na hora em que li, um filme foi se passando em minha memória. Pensamentos foram colidindo nas paredes de minha consciência. Pensei muito sobre minha situação atual. Hoje estou sozinho. Como alguém que navegou por um oceano ameno. Velejei por mares serenos, calmos. Mas não viajei por muito tempo. Parei na encosta de uma ilha. E aqui estou. Fazendo contato apenas com a Lua e o Luar. As estrelas são testemunhas de minhas declamações poéticas. Elas sabem dos meus infortúnios e sofrimentos. Minhas alegrias guardei bem fundo. Minhas tristezas lanço em prantos para fora de mim.
Cá estou buscando entender o que o Pai celeste quer de minha vida. O que sofro é por alguma boa causa. Não é em vão. Só queria saber para que fim isto se dá. Mas até mesmo esta situação de dúvida faz parte do "plano". E assim vou esperando. Agonizando em silêncio, enquanto um olhar ameno cintila na memória. Enquanto o doce perfume de uma Rosa paira em meu ar. Minha brisa serena...
Queria tanto poder sentir... Poder relaxar e me ausentar de pensamentos tão distantes. Mas preciso vagar um pouco. Logo aqui não mais estarei. Deixarei esta ilha, e rumo ao Oeste partirei. Novamente a navegar. Em busca dos sonhos perdidos. Esquecidos. Já é hora de novas rosas plantar, neste jardim de meu coração. E com a graça de Deus a chuva vai regar meus canteiros. Enquanto os pássaros farão ninhos sobre os ramos de minhas vinhas. Plantarei pomares e hortaliças de amores. Poemas com sabores. Fragrância de bons sentimentos. Tudo em pró do Amor.

Da Essência das Coisas


Não é a escola, especificamente, que torna o aluno sábio, mas é o aluno que, através da escola, se esforça em aprender e adquire o conhecimento.
Não é a espada que mata o inimigo e vence a batalha, mas o guerreiro que, ao empunhá-la com destreza, enfrenta o duelo.
Não é a igreja que salva o fiel, mas o fiel que, através dos mandamentos, da sua própria fé e amor, e da sã doutrina, encontra o caminho de sua própria salvação.

Que isto seja entendido por todos!
Nenhum lugar é santo por si próprio. Mas o evento sagrado que neste mesmo ambiente ocorreu o torna sagrado por "respeito e consciência" espiritual.
Uma biblioteca não é sabedoria, não é conhecimento, mas a partir do momento em que alunos sedentos por cognição se prontificam a estudar e pesquisar nela, aí sim, o ambiente se torna O conhecimento.
Jesus já o disse: nada que entra na boca torna o corpo e a alma impuros. Mas é o que sai do coração, sempre dos perversos e malignos de plantão.

Estou falando da essência das coisas sagradas e profanas. Da essência objetiva e prática de todas elas.
Olhe para o vinho, por exemplo. Por si só não é pecado. Mas a bebedeira SIM, é pecado.
A espada não é pecado, mas a matança de inocentes SIM, é pecado.
O sexo não é pecado, mas o adultério, a fornicação e a luxúria, SIM, tudo isso é pecado.
Repetindo, não é o objeto secundário que fundamenta o primeiro, mas o primeiro fundamenta o segundo. O que eu quero dizer com isto?
Quero dizer o mesmo que Jesus disse: não é ouvir as Palavras de Cristo que salva os homens pecadores. É "pô-las em prática".
É muito simples.
Não é a instituição que define o sucesso daquilo que ela objetiva exercer na prática. Como já expliquei no caso da escola.
Não é o colégio tal que vai tornar o meu filho sábio, mas o "esforço e interesse" dele é que fará a diferença. Precisa-se de um trabalho complementar.
Muitas pessoas acreditam que o partido político X vai resolver o problema do país em determinadas questões. Mas o que importa é o quanto seus políticos se preocupam em por em prática as ideologias do tal partido.
Não é a poesia que comove o leitor, mas o "sentimento" de comoção que ele tem dentro de si, e que é estimulado pelas palavras que condizem com o que este esteja passando no momento.
Jesus disse várias vezes "vá em paz, tua fé te salvou!" Isto nos dá margem para entender que tudo depende da essência em nós.
Não é o externo, mas o interno. O essencial está no coração do homem. Pois o adúltero, ainda citando Cristo, é aquele que pecou já e somente em "pensamento".

Língua & Linguagem


O que é a língua?
O que é a linguagem?
Várias vezes já parei para pensar sobre esta questão.
Por sorte estudo num curso que visa promover o conhecimento científico dos objetos de comunicação mais utilizados por nós: a língua - falada ou escrita.
Infelizmente este curso não disponibiliza material de "qualidade" plausível no que diz respeito ao bom estudo da língua materna, por exemplo.
Gosto de pensar sobre a língua e a linguagem humanas. Com elas eu posso transmitir o que sinto e o que penso. Posso me declarar. Posso me expressar!
A língua é o veículo pelo qual transmitimos os estados de nossa alma. Expressamos o que acontece em nosso interior.
Deve ser por isso que se diz ser impossível pensar sem a língua. Ou melhor, que quando você diz que entende algo mas que não sabe explicar, é porque não entendeu nada ainda.
Concordo. Quando não sei dizer, com minhas próprias palavras, sobre algo que me foi explicado, significa que não entendi completamente.
Eis o critério para se avaliar o quanto aprendemos das coisas. Basta se perguntar e se auto-responder. Se você souber explicar, com suas próprias palavras, você entendeu.

Observando a variedade de correntes filosóficas existentes pelo mundo a fora, percebo que a linguagem é o ponto que, muitas vezes, define a divergência de pensamento entre um filósofo e outro.
É por causa da linguagem mal interpretada, mal entendida, que há divergências de opiniões.
Olha só como isto é evidente. Muitas vezes as pessoas dizem que discordam de determinada explicação sobre algum fator teórico ou científico. Ou mesmo sobre determinada opinião.
O problema é que discordam de coisas que muitas vezes não entenderam. E isso é triste, pois é injusto.
Não se deve discordar de algo que sequer foi compreendido. Isto seria ignorância.
Devemos buscar compreender primeiro. E se após compreender ainda insistirmos em discordar, então já não é uma questão de comunicação mal efetuada. Ai é uma questão de divergência de razões para defender tal e tal opinião.
A língua é o único meio pelo qual comunicamos nossas idéias com maior eficácia.
Veja bem, sem a língua, nos limitaríamos a gestos, símbolos, ou seja lá o que for. Não há como negar isto.
Penso que tudo o que cremos depende também da linguagem espiritual com que nos utilizamos para manifestar nossa fé.
Este texto não tem nem pé nem cabeça, porque comecei a enaltecer a língua e linguagem no início, e, conforme fui escrevendo, meu pensamento foi divagando e flutuando por tópicos variadamente caóticos.

Sentir


"É tão estranho, e difícil de dizer que está tudo bem...
Se há alguma coisa... então venha entender...
O quanto só você pode dar um simples passo de cada vez
"

Ah...
Lágrimas escorrem copiosamente pela minha face...
Ao refletir sobre a profundidade deste sentir!
Por que tão grande?
Por que tão belo?
É tão lindo que dói...
Dói não saber conter tanto Amor!
Sentir que o mundo inteiro se colore mais a partir deste sentimento.
Ah...
Eu choro sozinho...
Em meu leito estou, quando em meu quarto a pensar...
Olhando para o teto, e aquele quadro tão singular!
Oh! Senhor... És Tu o meu mestre!
Somente Tu sabes do que sinto aqui dentro.
E minhas frustrações...
Minhas turbulências emocionais...
Não quero fazer o contrário da Tua vontade. Mas quero louvar-te por ter me concedido o Amar!
E por isso, em prantos, Te agradeço...
Em prantos Te louvo e bendigo!

Oh! Santíssima Virgem...
Mãe que o Senhor me dera, momentos antes da crucifixão...
"Filho... eis ai a Tua mãe!
Ele o disse...
Dito fora!
Acolho...
Sou adotado!
Tenho uma mãe, a mãe do Meu Senhor, dada por Ele próprio!
Quero, assim como tu, oh! mãe, dar o meu sim a Jesus. Diante dos Anjos do Céu.

Eu simplesmente Amo...

Eu te amo!