quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Religião

Credo Apostólico

"Creio em Deus pai, Todo poderoso
Criador do Céu e da Terra
Creio em Jesus Cristo, seu único filho, Nosso Senhor
Que foi concebido pelo poder do Espírito Santo
Nasceu da Virgem Maria
Padeceu sob Pôncio Pilatos
Foi cruxificado, morto e sepultado
Desceu à mansão dos mortos
Ressucitou ao terceiro dia
Subiu aos Céus
Está sentado à direita de Deus Pai, Todo Poderoso!
Donde há de vir e julgar os vivos e os mortos
Creio no Espírito Santo
Na Santa Igreja Católica
Na comunhão dos Santos
Na remissão dos pecados
Na ressurreição da carne
Na vida Eterna
Amém!



Eis a fé que um dia deixei de lado para buscar outras verdades. A fé que abandonei por um período de confusão filosófica. Quando buscava Deus nas coisas materiais.
Eis a fé que agora abracei novamente. Fé esta que mudou a minha vida.
Pois o credo é o credo apostólico. Herança dos apóstolos, tradição VIVA da igreja.
E isto é inquestionável para um cristão católico.

Agora quero tratar aqui de uma coisa simples, porém causadora de muita confusão no meio religioso-cristão.
A Bíblia!
Sim, a bíblia é a Palavra de Deus escrita por mãos humanas. É o jeito como Deus é PARA o homem. Não é possível definir Deus, não é possível entendê-lo senão pela fé e pela revelação.
Inspirados por Deus, os profetas nos deixaram uma herança cultural-religiosa que perdura, de certa forma, até os dias de hoje.
Mas não podemos acreditar que a bíblia criou a religião ou a cultura. Muito pelo contrário, foi a religião do homem quem escreveu e compilou as Sagradas Escrituras. E como entender isto sem atentar para um fato puramente "histórico"?!
A bíblia não foi escrita sem antes ter sido "contada" por tradição ORAL. Entender o que é a tradição oral é compreender que a bíblia NÃO veio antes da tradição. É preciso analisar e discernir BEM sobre este fato.
Moisés, o primeiro escritor bíblico até então conhecido pelos documentos Sagrados, foi o primeiro homem a juntar a tradição oral e "registrá-la" de forma impressa no papiro. Isto significa que houve necessidade de perpetuar de modo "literário" aquilo que o povo já vivia na tradição falada, de boca em boca, de pai para filho.
E por que estou dizendo isto?
Porque é preciso entender que a Tradição Católica tem fundamento Sagrado SIM!
Não é possível negar isto se compreendido a questão da tradição oral antiga.
Ora, vejamos o exemplo dos Evangelhos. Jesus não deixou NADA escrito. Não nos pediu para ler nada na ora da evangelização dos lares, mas simplesmente "ir e pregar o evangelho a toda criatura". O evangelho era pregado e disseminado de modo puramente "tradicional" e oral entre os povos das primeiras comunidades cristãs.
O primeiro princípio protestante que surgiu (com Lutero) foi o "Sola Scriptura"(somente as escrituras). Significa que para a salvação da humanidade bastaria ler a bíblia.
Mas não é só isso. Lutero disse também que a tradição viva da Igreja não precisava existir para interpretar as Sagradas Escrituras. Disse que bastaria ler os evangelhos por si somente e assim o Espírito Santo revelaria para o leitor leigo, a Vontade de Deus.
Como pode isto ser a verdade, se, nos resultados observados, hoje em dia, entre as milhares de denominações cristãs (seitas protestantes), há milhares de interpretações DIFERENTES para os mesmos livros?
Bastaria analisar com a razão para compreender que há um fator X que determina esta multiplicação de igrejas: a "Sola Scriptura" de Lutero.
Quanta confusão se criou desde aqueles tempos...
Mas não pára por ai. Há também o princípio protestante "Sola Fides" (somente a fé) para a salvação. Ignora-se completamente as "boas obras" que a Sagrada Escritura ensina. Pois uma fé sem obras também é morta!
Tudo isto porque um homem deu o ponta-pé inicial para a divisão entre os cristãos. Um homem e mais alguns participantes de suas ideias deram início a um processo "diabólico" (separador) dentro da igreja que caminhava desde a ressurreição de Nosso Senhor.
Por que o termo "diabólico"?
Digo isto porque esta palavra significa "divisão". E tudo o que causa divisão é diabólico (não satânico no sentido espiritual).

Gostaria de não ter de escrever este tipo de defesa da fé AQUI, mas a ocasião e os meus sentimentos pediram para expressá-la. Então aqui deixo um pedacinho de apologética católica.

A palavra Católica vem do grego catholikón que significa "universal". Por isso, quando me perguntarem de que religião sou, direi "cristão universal", pois vivo uma só fé com a igreja, um só batismo, um só sacramento de salvação. Não me confundo. Já me confundi antes, mas não mais.
Jesus institiu esta igreja há dois mil anos atrás. E até hoje vivemos o magistério, a tradição dos apóstolos - pois Paulo diz para guardar as "tradições" orais ou escritas que os apóstolos deixaram.
Não é prepotência humana negar isto?
Sim, é muito fácil limitar a bíblia, e limitar-se "à bíblia". Mas não é a Verdade. Deus está na Tradição, pois do cotrário Ele se contradiria.
Deus jamais se contradiz. E na bíblia não há UM versículo que prova a "Sola Scriptura", logo, é inválido.

Tudo isto é uma espécie de guerra para saber quem está seguindo a Jesus com maior Verdade. Mas na realidade, Jesus disse que as portas do inferno jamais prevalescerão contra a Igreja que ELE fundou em São Pedro. E eu garanto: na Pedra em que Jesus fundou a igreja, eu confio, e nela tenho a certeza de que estou!

A infalibilidade da igreja vem do Alto, e não dos homens. Tanto é que os santos salvaram a igreja em todos os períodos de falta de fé e confusão.
Inclusive quando os causadores de discórdias Lutero e Calvino apareceram também surgiram grandes homens usados por Deus para defenderem o magistério e criar a contra-reforma.

Mas como é triste quando as pessoas não enxergam isto. E vem coisas com olhos protestantizados. Configurados para crer em algo inverídico. Acreditando que suas interpretações "pessoais" das Sagradas Escrituras são verdadeiras acima das interpretações do Sagrado Magistério Episcopal.
Nosso colégio de Bispos estuda noite e dia para passar uma maneira melhor de lidar com o evangelho, enquanto muitos se preocupam em atacar a Igreja e chamá-la de Babilônia (absurdo) ou prostituta.

Mas graças a Deus aqueles que se dispuseram a estudar a igreja, em unanimidade se converteram e o preconceito caiu por terra. Temos vários exemplos, como Scott Hahn, ex-calvinista, Pe. Cleodon, ex-pastor da Assembléia de Deus, e muitos outros.
Todos resolveram se questionar sobre a Verdadeira igreja de Jesus, e descobriram algo fascinante ao conhecer a Santa Igreja. Descobriram que nada do que se falava em cultos ou reuniões protestantes era verdade. Não passava de preconceito e más compreensões. Pessoas que sequer compreenderam os princípios Luteranos protestavam sem saber ao certo contra o que e para que.

Só se ama o que se conhece. E isto eu sei. Quanto mais conheço os dogmas, sacramentos, magistério, mais tenho a convicção de que tenho um papel importante para a Igreja, o de ajudá-la a levar Jesus Sacramentado às pessoas.

"Eis o mistério da Fé"