segunda-feira, 11 de abril de 2011

Grosélias intelectuais


Já te ocorreu alguma vez de querer pensar algo que mudasse os rumos da humanidade? Ou quem sabe inventar alguma coisa que transformasse a forma como vivemos, algo tecnologicamente insuperável? Pois é. No meu caso, penso que a Poesia seria algo assim. Não precisa ser necessariamente um objeto palpável. Mas algo dito e insuperavelmente significativo para o Homem. Algo como "Palavras Específicas" que convertessem estados de espírito num frenesi, num êxtase, num nível completamente transcendental da Alma. Ah! como seria magnífico, esplêndido!
Mas enquanto devaneio, cá sozinho, a decepção do presente momento: não tenho palavras para mudar o estado de espírito de ninguém por enquanto! Na verdade me decepciono quando reflito sobre a possibilidade de as palavras serem insuficientes para se alcançar a Verdade em si mesma. E se isto for a Verdade? E se as palavras não passarem de criadoras de conceitos abstratos?! E se o mundo tal como o conhecemos não passar de mera criação verbal? Será?
Penso que o mundo real determina o mundo das palavras, e não o contrário. Só que a Semântica Enunciativa quer contradizer tal fato. Não acredito que o mundo lexical é o único criador de sentido de verdade. O mundo real é que determina isto. Lógico!
Bom, nem sei mais o que estou dizendo. Na verdade estou no trabalho, esperando dar o horário do almoço. A Universidade aqui está uma balbúrdia que só. É professora prum lado, é professor pro outro. É PDE. É teste seletivo. É data-show pra montar e instalar. É certificado para emitir. Ufa!
Bom, espero que hoje o dia seja ameno e feliz. Que a paz predomine acima das adversidades profissionais.

Nenhum comentário: