sexta-feira, 29 de abril de 2011

Thinking of...


Esta noite sonhei estranhamente com Ela. Não sei ao certo... parece que eu estava revendo conceitos e opiniões passadas naquele sonho. Tinha um quê de nostalgia, ou talvez fosse apenas um bom olhar meu sobre um passado amoroso em geral. Na verdade o que quero é dizer que pensei um pouco ao despertar esta manhã. E agora estou confuso quanto ao Amor. Se é químico, sei que é paixão. Se é afinidade, muito pode ser de amizade. O que foi então tudo aquilo que o sonho sugeria!? Não sei ao certo.

Agora (para não dizer SEMPRE) a dúvida corrói meu coração, e isso é ruim para qualquer um. Não se pode retirar nenhum proveito da dúvida, a não ser que ela permaneça por meros segundos no ar. O importante dai é a certeza tomar logo a posse da cena. A certeza é necessária, principalmente quando o assunto é o Amor. Por isso gostaria que um ser espiritual (da parte de Deus, óbvio) me dissesse o que fazer. Adoraria que me dissesse por "quem" deveria eu depositar meus sonhos de matrimônio. Não sei. O que este sonho suscitou em mim foi esta reflexão meio caótico-aleatória. Momentos específicos do mundo onírico causam repercussões estranhas no período da vigília às vezes. E agora estou cá com meus botões. Pensando sobre aquele passado não tão remoto, mas também não tão recente.
O que será que devo fazer...
Deus nos coloca situações com significados importantíssimos o tempo todo. E é uma tremenda ilusão do indivíduo achar que às vezes Deus se esquece de nós (só porque não rezamos ou nos distraimos um pouco-ou-muito). É por isso que fico matutando sobre o sonho, sobre sua repercussão ao acordar-me. Então, como fica a interpretação? Não falo só do sonho, falo do que sinto ultimamente. Do que penso. Daquilo que faz de mim o que sou e como estou no momento presente.
Deveria existir um manual de como existir neste mundo. Mas a verdade é que o manual se encontra em códigos. E tais códigos só podems ser não-códigos quando deixamos de ser falsos para com a Vida. Quando deixamos de mentir para o espírito e para a Alma, indo na contra-mão do Pantocrator. Em suma, só entendemos a língua do manual da Vida quando abrimos nosso Coração para Deus em orações. E que fique claro: se você não tem vida de oração, NUNCA vai entender argumentos espirituais. Nunca vai compreender ditos da Alma ou experiências do tipo. Não é preconceito com os ateus, ou coisa parecida. É a mesma coisa que dizer que se você não fizer um curso ou não estudar Japonês, JAMAIS vai entender um Animê (com áudio origial) sem legendas!

Nenhum comentário: