quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Contemplação



Embaixo de um velho carvalho tu estás recostada a chorar
Envolvida pelas sombras de um triste entardecer
Seus olhos já não vertem o brilho de antes...
O que aconteceu com seu olhar?
Por que ele se perdeu no Mar?...

Você disse que "seguraria" esta mão
E que não era para eu permitir qualquer "Queda"...

Não tento mais sentir o que está havendo agora
Apenas "penso" que tudo tem a ver com minha vida
Tudo o que sinto e que penso "agora" tem a ver com TUDO

Embaixo deste velho carvalho tu soluças sozinha
Sem ao menos entender por que o labirinto é como é!
Talvez buscasse sair...
Talvez quisesse encontrar um outro horizonte...
Não!
Talvez fosse apenas minha imaginação...

Não, eu não me entregei como deveria...
Enquanto não houvesse "aquelas palavras"....
E agora, agora os dias passam como fumaça
E os pássaros continuam suas cantorias pelos telhados
Ao passo que vivo o passar dos ponteiros...

Você vive assim...
Eu vivo assim...
Nós vivemos sofrimentos pertinentes à nossa salvação!
Precisamos de certos acontecimentos
E de certas batalhas interiores
Mas o Sol nascerá...

Acredite...
O Sol nascerá Lindo no horizonte
Num amanhecer cheio de glória
Pois o galardão dos perseverantes é preciosíssimo!
E o que este par de olhos contemplará, ao final,
Mostrará a dignidade que advém de aparentes sofrimentos

Não me preocupo com o que acontece agora
O que me incomoda são meus próprios empecilhos sentimentais
Ah! se apenas a "carência" fosse fácil sanar com um poema...
Com uma dose de Hidromel
Néctar dos elfos!

Ah! se o pão élfico me sorvesse as entranhas doentias da emoção!

Hey!
Mas... um Pão que, de repente, já não é mais pão me vem à mente...
E por isso me lembro que não é de Lembas que preciso...
Mas dELE!
Sublime, Supremo e Santíssimo Sacramento!!!

Corpus Christi!
Se TODOS soubessem....
Se tod...

Ah!...

Eu sei...
Senhor... eu sei!
Basta!


In corde Jesu et Mariae semper!!!

Indagarrado



"Afundando?" (no quê?)
"Não conseguindo?" (o quê?)
"Vozes que se cruzam" (são opiniões alheias e divergentes entre si - mas de quem?)
"... o final está longe de mim" (mas o final do quê?)
Etc...





Turbulências?
Tristezas?
Sentimentos solapando as paredes de um coração?
Eita!
Quanta emoção!
Quanto sentir!
Quão profundo não deve ser esta dor...

Se num "espelho" ela econtra fulgor!


"O tranquilo Lago reflete o azul do Céu
Mas não é ele quem o toca
E sim o Céu é que desce até ele e o veste de anil...
Somente quando calmo se encontra" L.