domingo, 1 de maio de 2011

Crítica Moderna - Mundividência Pt II

Uma coisa tenho observado ultimamente. Que a Verdade dói deveras nas pessoas. Acho que somente um santo, realmente, poderia comprazer-se com ela. Somente um santo, um sábio. Pois que o sábio se regozija com a Verdade em seus ouvidos. Qual consciente enfermo que se alegra ao beber do cálice amargo do antídoto para sua infecção. E quem não quer ser curado ao estar doente?
Mas quem quer sentir dor? Eis o primeiro equívoco humano, principalmente observável na mais tenra infância. As crianças detestam passar pela experiência da vacinação. O motivo é óbvio: não querem sofrer a dor que isto lhes proporciona. Mas convenhamos, nós adultos, que a vacina é um BEM para a criança. No entanto o pobre enfermo, quando criança, não quer raciocinar (até porque não o consegue por conta de sua imaturidade cerebral) sobre a necessidade de se ter de passar por tal dor (vacinar-se).
Mas e nós, adultos, não concordamos então que nem sempre o Bem é "gostoso"?
Baseando-se na ideia da vacina, não deveríamos supor que as vacinas morais são idênticas em todos os aspectos de uma injeção contra tétano?
Por que se alarmar quando dói nos ouvidos da alma a Verdade?!
Por que fazer cara feia quando alguém diz uma Verdade que não está mais sendo pregada e tampouco seguida como Lei?!
Nossa indiferença me leva a questionar se ainda não estamos idênticos à criança que não quer ser vacinada contra um vírus!
Sim, pois que não queremos ser vacinados, ou seja, receber anti-corpus contra os vícios do pecado!
Pois, no caso infantil, cabe aos pais da criança "pensar" por ela e "agir" por ela.
Mas e quanto a nós, adultos, não estamos, por nossa vez, na condição de educadores? De gente madura? Se já temos a adultescência, já temos a razão, mas que nem por isso agimos de acordo com tais atributos. O que fazemos? Deixamos amortecer-se e anestesiar-se nossos receptores e detectores de fatores nocivos externos. Até quando o mundo dormirá?

Penso que o anestesiamento se dá em massa, isto é, em grande escala. Uma boa margem da sociedade padece de amortecimento da Alma. E falo amortecimento literal. Perdem-se tão facilmente em troca de cédulas e mais cédulas. Ou talvez por prazer e diversão. Oh! céus!
Quando alguém aparece querendo defender a Verdade, ou seja, falando de religião, de Deus, de Jesus, de condenação, Paraíso, Purgatório e Inferno... as pessoas torcem o nariz. Como se o "abafamento" da verdade tivesse dominado até o senso comum. E já não se pode mais falar em Verdade objetiva pelas ruas. Você corre o risco de ser preso e torturado nas masmorras modernas. E isto seria visto como "normal". Pois que fora normalizado pela massa. O certo se tornou errado. E errado se tornou "legal"(literalmente). E o que leva à perdição espiritual se tornou objeto de almejo dos que buscam salvação (enganadamente).