domingo, 26 de fevereiro de 2012

♥Para Daniela, o Amor da Minha Existência 'Carno-Espiritual'♥

Amor,
Das Rosas Tu és a mais pura,
Mais linda e mais suave...
Pois que da Verdade,
Tua Alma, tal como a Minha,
Com fidelidade, é amiga-irmã,
Olhos unidos num só horizonte:
O Zênite opalino...
O Céu de Deus!
Amor,
Das Estrelas Tu mais cintilas,
Pois do escuro fogem as Sombras
Em presença da Tua prece
Ao sabor das Palavras
Que Teus lábios produzem doces!
Em meu peito só restam Palavras...
Para de Ti gozarem enaltecer,
E, da Tua formosura feminil,
Um retrato descrever!
Amor,
Sou guardião da Tua essência,
Pois que da minha Tu és esposa,
Princesa-Rainha...
Somos mendigos no Reino do qual Reinamos...
A Vinha que o Senhor nos confiou,
Até a Sua majestosa Volta!

TE AMO!♥

O Bem - segundo Bento XVI, o atual Papa

No discurso de abertura desta Quaresma, o Santo Padre, o Papa Bento XVI, escreveu "[...]o bem é aquilo que suscita, protege e promove a vida, a fraternidade e a comunhão[...]". Eu não poderia definir o bem, em se tratando de fraternidade entre pessoas, de forma mais enxuta e verdadeira do que esta.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Debatendo Contra Ateus na Internet

Para uma pessoa que conheceu, ainda que imperfeitamente, a Verdade sobre Deus, é mui divertido contemplar os argumentos malucos desses ateus de Internet. Há uns dias atrás estive assistindo a vídeos no Youtube e me deparei, num deles, com um de certo carinha (por enquanto ainda desconheço o nome) que se diz sinceramente ateu; cabelinho comprido, cavanhaquezinho à lá John Petrucci (guitarrista do Dream Theater) e tudo mais.
Bom, o que ouvi dele foram argumentos do tipo: se Deus existe, por que então há o mal? Ou temas que atacam o conceito cristão de "Livre-Arbítrio".
Pegando, por exemplo, este último tema questionado pelo Petrucci cover, fiquei boquiaberto com o caráter infantil, rebelde e tosco dos argumentos dele, e, pior, atônito em como tanta bobagem podia estar contida em um vídeo de poucos minutos!
Fiquei intrigado, fustigado e extasiado pela oportunidade de conversar com ele a fim de compreender os motivos que levaram-no a tamanha besteira de ideia ateística.
Enfim, até agora meu e-mail recebeu mensagens-resposta aos posts que enviei para o vídeo no canal, mas nenhum com calor apologético suficiente para discutirmos a sério.

Em primeiro lugar, para quem ainda faz a questão "se Deus existe, então por que tanta gente morre tragicamente, às vezes pelas mãos de pessoas malígnas, ou por situações constrangedoramente injustas?" fica uma questão anterior, posta por nós, cristãos: "por que vocês, que questionam a Deus sobre temas universais, amplos, complexos, imperscrutáveis (em seu todo) não param de debater com o Criador e buscam compreenderem-se a si mesmos por PRIMEIRO?
Ou melhor, antes de pôr Deus em disputa, por que não vão fazer exame de consciência para saber se realmente estão em condições de questionar alguma coisa!

O sujeito, de repente, se acha na posição de juiz de Deus, páreo para julgar as coisas qual Adão pondo nomes aos animais a mando do Criador. Mas enfim, é uma soberba sem tamanho. E o pior é haver muitos seguidores de tamanha bobagem. Achando-se no seguimento de um profeta da Verdade. Sequer imaginam (esses partilhantes de tais ideias ateísticas) o tamanho do buraco que há no barco em que se encontram navegando. Bom... fica aí a minha leitura sobre tal absurdidade.


O LIVRE ARBÍTRIO

Tantos santos e santas de nossa Madre Igreja já comentaram com perspicácia teológico-filosófica dos conceitos e apreensões sobre o Livre-Arbítrio, mas nenhum ateu parece atento o suficiente para compreender esta riqueza dos tempos. Suponhemos então que todos eles estejam "cegados" por alguma coisa que, no mínimo, não é boa.
A liberdade de que dispõe o homem nada mais é que uma possibilidade de escolha entre algumas opções "limitadas". O que isto quer dizer? Significa que o Livre-Arbítrio só pode ocorrer dentro de opções limitadas da existência. Por exemplo, se eu sou livre para comer de tudo, assim procedo, comendo de tudo o que ao meu redor e dispor tiver. Mas não sou livre para comer daquilo que, sendo nocivo ao [meu] organismo, possa resultar em mal estar ou morte em seguida. Outro exemplo, se sou livre para andar nu em qualquer lugar, o mesmo não posso dizer de meu organismo, caso esfrie demais e meu corpo peça aconchego e calor. Ou seja, posso escolher com a mente, mas não posso arcar com as consequências, não posso mudar nenhuma consequência.
Consequência! eis o que o nosso amiguinho ateu coloca para buscar elucidar para nós, cristãos, a questão. Diz ele que confundimos punição divina com consequência natural. Ou seja, segundo ele, nós utilizamos explicações convenientes para nos safarmos dos ataques [pseudo]lógicos dos ateus, ratos de Internet, dizendo, ora que um acidente não foi Deus quem deixou acontecer, mas sim foi consequência do motorista ter bebido demais, ora que, quando um paralítico se cura num hospital foi Deus quem ajudou.
Seguindo o [tortuoso]viés crítico-analítico do nosso Petrucci cover, acabaríamos, sim, crendo que Deus não existe! Mas, Oh! Razão das razões! Oh! Verdade divina, Cristo Jesus!... temos a Deus por Pai, Maria Santíssima por Mãe, e, assim, sabemos quão falaciosos são tais argumentos ateísticos! Quão mesquinhos de humildade! Quão presunçosos!
O Petrucci cover acabou se julgando "auto-modelo", critério-próprio, linha própria-metodológica de análise crítica dos conceitos de liberdade e de Deus, e TUDO numa tacada só. Incrível, não!
Ele acaba confundindo, pior do que aquilo de que nos acusava, a "punição" divina, descrita nas Sagradas Escrituras, com as consequências óbvias de qualquer ação humana. Ou seja, ele acha que as consequências como tais, são diferentes das "punições" divinas frente aos nossos pecados.
Será que não ocorre ao "dizinfiliz" a lógica da coisa em si?
Continuo depois...

...

In corde Iesu et Mariae semper!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

A Natureza Fala da Verdade, Fala de Deus!



Toda atitude humana, bem como todo padrão de comportamento ou forma de pensamento que não esteja conforme a natureza dos fenômenos que nos circundam está (e assim deve ser concebida sempre) ERRADA!
Sim!... devo, aqui, ser fatalista para haver compreensão imediata por parte dos leitores!
Ou seja, quando você vir alguém tomar uma atitude ou se expressar de forma contrária aos padrões da natureza tal como Deus a criou, nem deverá pensar duas vezes antes de disparar um alto e claro: "ESTÁ ERRADO!" E isto não será autoritarismo, ou presunção, ou quaisquer tipo de atitude egocêntrica, pois estarás dizendo da Verdade!
Se você parar para observar, hoje em dia parece predominar uma certa postura [nocivamente] artificial no modo de pensar da grande maioria das pessoas. E por quê?
Talvez porque o que é contra Deus esteja simplesmente no comando do fluxo da sociedade [ironia pura!]. Afinal, retomemos uma coisinha básica, quem é mesmo o Príncipe deste Mundo segundo as Sagradas Escrituras?
Então, né...
Bom, penso aqui que o que podemos fazer, quando muito, é rezar e nos penitenciarmos, sofrendo uns pelos outros, na missão evangelística de buscar a salvação - nossa e - de todos, principalmente dos que estão ao nosso redor.
Mas voltando ao tema do início, sobre a questão da falsa postura humana perante a Verdade, é muito complicado tudo isso. Se por um lado a maioria pensa contrário ao verdadeiro fluxo de consciência e pensamento, a pequena minoria cristã contém uma grande maioria de analfabetos doutrinários e espirituais! E isso gera mais problemas ainda.
Pensemos um pouco. A massa da população pagã, ateísta, panteísta e etc, pensa que existe outra maneira de conceber a realidade que não aquela projetada e manifesta nos processos naturais dos fenômenos da Natureza que Nosso Senhor criou. Ou seja, hoje em dia o azul do céu pode não ser mais azul, e sim a cor dos nossos olhos. E o que é veneno pode não ser mais veneno, e sim algo que o nosso corpo ainda não entendeu ou suporta, e que a "evolução" resolverá daqui uns milhares de anos ou séculos vindouros.
Tsc tsc tsc!
O que pensar a respeito?
Simplesmente que a loucura se democratizou e tomou conta da grande massa populacional! Se antes, na época de Santo Tomás de Aquino era blasfêmia sem paga dizer que Deus não existia, hoje, é inconcebível viver segundo critérios baseados no mesmo Deus que um dia foi o parâmetro de todos os valores culturais ocidentais medievais. Esperemos até aonde isso tudo nos levará.
Não parece haver um bom rumo pela frente. E o fim realmente parece se aproximar.
A medida que o homem se afasta da natureza, constrói o próprio sepulcro e a própria ruína. E Deus é FATAL!... Não tardará em dar a sentença final!
Esperemos que nossa conduta esteja de acordo com a Verdade... senão....
Bom, a verdade é que somos tão acomodados que nem prestamos atenção ao quanto de mentiras demoníacas já aceitamos por conveniência político-social, cultural etc.
O Mundo vive de conveniências, independente se estas atacam de frente à Verdade, a Deus!
Observemos o nosso corpo, com seu metabolismo, como proposto no Post anterior a este. E notemos que suas leis provém de tudo menos a nossa vontade consciente. Significa que é autônomo, involuntário, inconsciente. Pelo menos até o ponto em que não depende de pensarmos para funcionar tal como funciona e que sempre funcionou desde que nos entendemos por seres humanos. Agora notemos o quanto estas leis são imutáveis perante fenômenos que "ameaçam" o equilíbrio do bom funcionamento metabólico. E notemos ainda o quanto nosso metabolismo é hostil à bactérias externas, a vírus, aos fungos e a qualquer organismo extranho que não tenha afinidades ontológicas com nosso sistema corpóreo.
É isso, pessoal. Basta observarmos a natureza de nosso próprio corpo para termos um bom exemplo de como é Deus. Ou seja, Ele trabalha a existência da maneira como trabalhou o sistema natural do sistema cósmico e biológico.
E este exemplo já explica por quê é pecado sexo com preservativos. Pois, para o corpo, estaríamos estimulando-o a produzir matéria prima para um novo ser humano, o que é o objetivo de tal ato (cópula). Mas, em nossos propósitos egoístas e irresponsáveis, estaríamos vetando-o de sua função, objetivos e, pior ainda, do projeto Divino - do qual viemos à Luz!
Não está clara a questão da Verdade perante a Natureza?
Olhemos para os números, convenções simbólicas com finalidade à quantificação dos componentes existenciais. E percebamos que se 2+2 são 4, é porque a realidade não pode se contradizer a si própria. Seria absurdo uma hora ser 4 e noutra mesma somatória 5 ou 6 ou 2,4 - o pior é que o Mundo Moderno está tentando fazer valer este "falso espírito da realidade".
Estamos vivendo uma era de conceitologias ou conceitolatrias. Cultuando teorias modernas pela simples convenção moderna de se utilizar do que é prático, fácil, ATUAL.
O homem atingiu uma academicidade alienada, sistematicamente alienada. E tal fato não melhora em nada a produção de boas obras para a humanidade. O que deveria ser feito? Precisamos de salvação imediata!
Antes lutava-se para provar que Deus existia ou não existia. Hoje, provar alguma coisa é mito. Nada se prova. Tudo se prova. Nada é nada e tudo é tudo. Ou seja, não há padrões... não há mais arquétipos. Não há modelos nem paradigmas epistemológicos universais.
O próprio termo Universal já virou heresia nos altares da teoria sociolinguística.
Se você tenta defender uma literatura universal, pelo teor formativo-universal da mesma, já é combatido por uma massa pseudo-pensante de extrema-esquerda e revolucionária, que tentará destruir até o último dos moicanos do pensamento conservador católico!

Mas em contraste a tudo isso que foi dito: peço a Deus, à Nossa Senhora, aos santos anjos, e a todos os cristãos que rezam pelo Mundo... forças e as Virtudes necessárias para alcançar o Céu, desde já, aqui na Terra.
E, assim como a uma vela que queima em meio à escuridão, quero verter luz para todos ao meu redor, iluminando-os com a chama da Fé, Esperança e Caridade, mesmo que me custe o consumo de minha própria alma; tal como a vela que não percebe que, enquanto ajuda a iluminar, se destrói a si própria pelo bem maior.
Assim nos foi o Cristo, que se entregou em sacrifício no altar da Salvação, a fim de nos abrir as Portas do Céu.
Tudo pode se tornar exemplo para fazer analogia às coisas de Deus.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Conceitolatria Rasa e Preconceito Vazio



Voltando do trabalho para casa, comecei a pensar sobre a (pouca) profundidade com que pensamos sobre as demais coisas da vida. Então comecei a notar e a concluir(por mim mesmo e olhando as pessoas ao meu redor) que a maioria (a maioria MESMO) não tem noção sequer de metade daquilo que deveria saber para bem opinar sobre qualquer assunto. Todos nós (falo por nós brasileiros), num geral, refletimos muito POUCO sobre os assuntos que nos circundam e pertencem. E, quando muito, pensamos apoiados em conceitos tão superficiais, tão "água-com-açúcar", que a questão sobre pensar ou não pensar sobre determinada coisa não muda nem um porcento de lugar. Aliás, como é que temos a hipocrisia intelectual de achar que temos o DIREITO de opinar - e a maioria opina-por-opinar - sobre determinada coisa sem um mínimo de objetivo, de meta extra-opinião?! É extremamente absurdo opinar-por-opinar!
Ninguém deveria buscar esta conduta - tão disseminada em nossos atuais meios intelectuais nacionais, principalmente os acadêmicos (irc!).
"O mundo mudou!" diz o modernista radical, sedento por, digamos, "movimento", ou melhor, mudança-pela-mudança (e não por uma justa causa) - e mudar por mudar, pra mim, vale tanto quanto opinar por opinar = NADA vezes NADA!
Aprendemos o maldito vício de agir por cômodos padrões de atitudes pseudo-intelectuais, fabricados dentro de um sistema alienadamente convencional que veicula as grandes massas pseudo-pensantes da sociedade (destaque-se, aqui, brasileira, por foco do autor).
Tudo isso que falei me surgiu num lapso de tempo, enquanto dobrava uma esquina qualquer, no caminho de volta para casa. Até porque sou professor agora, e isso tem tudo a ver com a questão-em-questão, aqui levantada.
Muitos de nós não refletem sobre quão rasa é nossa concepção de determinado assunto, do qual necessitamos saber, no mínimo, mais de 80% para que haja justiça no fenomenal momento em que opinamos sobre tal. E isso é o que mais dói. Não saber quase nada e agir como se fosse possível tapar o sol com a peneira! Irc! Irc!
Gostaria de gritar ao mundo: BASTA!
Infelizmente é imposssível, por enquanto!
Esse negócio de definir conceitos também me dá nos nervos. É um tal de "defina-se em seus conceitos para nos entendermos e falarmos a mesma linguagem" que até desanima debater sobre qualquer coisa.
Claro que não estou criticando o conceito em si, mas a "conceitologia", ou melhor, conceitolatria acadêmica que alastrou-se ultimamente em nossas universidades.
Meu amigo(a) leitor(a), pense um pouco comigo: se você precisa definir, a todo instante, sobre os conceitos que você usa em seu discurso sobre determinado assunto, é, no mínimo, porque um problema de linguagem está evidentemente presente!
Analise um pouco: se antes, nos comunicávamos sobre quaisquer temas da existência com palavras popularmente convencionais, ou seja, sem atritos conceptivos, cognoscitíveis, intelectivos, "compreensionais" e etc, é porque o homem, quiçá, mantinha um certo padrão de sinceridade para com os fenômenos entre si e ao redor de si e, principalmente, sobre o próprio fenômeno da linguagem com a qual se era exposto determinado argumento. O que eu quero dizer é que, antes, havia menos falcatrua linguística, menos "RELATIVISMO" intelectual, político, cultural e religioso!
Outra coisa que me interceptou no caminho, logo em seguida, foi o fato de que hoje se fala muito em preconceito. E não é mais somente sobre racismo, como nas décadas passadas. Agora é moda falar em homofobia, xenofobia, intelectofobia, burrofobia, e muitas "bias" mais...
A questão é que chegou-se a um ponto irritantemente intolerável: o homem começou a tocar na VERDADE... ou melhor, a cutucá-la para que esta saia de cena e permita ao RELAVITISMO geral ocupar a Cátedra dos critérios humanos mais nobres: aqueles pelos quais se definia a Justiça, a Bondade, a Beleza e tudo o que sempre fez BEM ao Ser Humano.
Com esta nova moda pseudo-intelectual, tenta-se criticar a Igreja Católica Apostólica Romana, acusando-a de preconceituosa inflexível, quando não "caduca", "inquisitiva" e muitas outras acusações espalhafatosas mais. E por causa de quê? Simplesmente por Ela DENUNCIAR as heresias, o PECADO, o homossexualismo (enquanto confesso e ativo), os vícius, o MAL!!!
Agora quero convidar meus leitores a refletir um pouquinho mais profundamente sobre uma analogia que proponho:
-
Considere-se o corpo humano, por exemplo. Note-se bem que ele possui um metabolismo autônomo, com um sistema programado "naturalmente", isto é, sem intervenção humana alguma. E agora preste bem atenção ao que vou destacar e coligar ao assunto do preconceito à Igreja:
Quando um corpo ou ente "extranho" adentra-se no metabolismo referido, o que vocês acham que acontece?
Provavelmente um aluno de primário responderá que os anticorpus combaterão aquele corpúsculo extranho, buscando, a todo custo, se não destruí-lo, pelo menos expulsá-lo o mais longe possível do sistema naturalmente programado para viver conforme a LEI estabelecida.
Mas o "modernista" de platão - e aqui serei o máximo irônico - com certeza, deveria dizer que as células, bem como os glóbulos brancos, vermelhos, roxos, cinzas e rosas do corpo humano deveriam parar com esse negócio de protestar, de "rejeitar", de "combater" o que é DIFERENTE. Afinal de contas, "tadinho" do diferentezinho, só porque não é igual não pode morar junto do corpo humano? Buááááááá!
Quem sabe se o corpo não repensasse suas LEIS biológicas, e resolvesse fazer as pazes com TODOS OS VÍRUS, todas as bactérias e fungos...
Não seria, pergunto no mais profundo de minha ironia, tão mais LINDO, gêntémmm:
Reflitam, pensem, e analisem como a natureza é justa, e sincera!
E reflitam sobre a Igreja querer defender a Vida, a Justiça, o Amor à Verdade e a Deus... e Zé Finí!

☺In corde Iesu et Mariae semper!☺