terça-feira, 17 de julho de 2012

Ao Amor da Minha Vida




Se digo que desta vida tudo posso explicar, certamente mentindo estou
Pois que, à mente humana, nem tudo se explica, apesar do que a Mente [já] mostrou
Mesmo assim a resposta buscamos
Apesar da noss'imperfeição, 
Que das coisas maravilhosas a mente dê conta, e nos traga conforto à razão!
Um fascínio é o Amor da nossa vida,
A pessoa que se faz presente em nossos momentos mais significativos (em nossas histórias)
E é por isso que eu digo ser impossível definir
O que a Vida (Deus) nos traz: como "Você"
Pois, do que Deus faz, nada é passível de ser "capturado" completamente pela mão humana!
Meu Amor, você é simplesmente o que uma obra de Deus significa:
Sinal divino em minha existência, gota mágica de orvalho celeste, capaz de tocar o âmago de meu interior: o Calabouço Dialético de meu espírito.
Amor meu, flor minha...
Não te deixes entristecer se um dia eu morrer:
Mas morrer de Amor por Você!
Pois se digo que desta vida o teu SER eu posso explicar, certamente mentindo estarei
O que posso, já digo, é o que habita
Bem no fundo do teu Coração
O Amor com que ama-me a mim
A ternura com que tece, qual em pano de cetim, orações a meu favor
Meu Amor somente Você é a Flor da Primavera em minha jornada cá na Terra!