sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Idiossincrasias - de mim

Já abordei aqui algo parecido com o que agora vou comentar. O assunto é sobre nossas idiossincrasias. É isso mesmo que você leu. Pois idiossincrasia é uma palavra que, apesar de esdrúxula, significa "modo de ser", isto é, "comportamento natural de um indivíduo ou qualquer coisa perante um estímulo".
Mas não falo aqui sobre a idiossincrasia como um todo, de modo abrangente, abstrato e impessoal; falo de mim. E isto quer dizer que estou como que fazendo minha própria leitura e interpretação existencial.
E se cada um de nós pode ser contemplado como personagem do elenco de Deus, na grande peça da existência humana, pretendo assim interpretar os papéis que venho cumprindo em cena desde os pontos que cá me interessar ressaltar.
Muito bem, comecemos pelas aspirações gerais. Todo ser humano é movido pela Vontade, já o dizia Schopenhauer em algum de seus livros. Concordando com ele, digo que também o sou em todos os aspectos. E talvez o seja até mais do que imaginou o filósofo alemão.
Todos nós fazemos o que fazemos por uma vontade ou por outra. E isto significa que, sem vontade, não fazemos (salvo se obrigados por alguma autoridade ou necessidade mesmo) absolutamente nada!
Depressão é o nome de uma doença consideravelmente moderna na sociedade. É geralmente atribuído a ela, como característica patológica, uma profunda dose de desmotivação no paciente, isto é, falta de Vontade! Sendo assim, tal fato clínico só comprova que o ser humano PRECISA de vontade para sobreviver, em todos os aspectos da existência.
Minhas aspirações básicas, voltando à vaca fria¹, se baseiam na Vontade de profundidade e organicidade. Quero dizer que preciso viver profundamente cada movimento da vida. Se não for para haver entrega TOTAL, para mim, não serve! É por isso que é fácil decifrar se estou animado ou não por algo - basta ver-se o grau de motivação e empolgação com que executo determinada atividade, e assim saber-se-á a verdade.
Desde que me entendo por gente, i.e., desde minha mais tenra infância, noto que sempre fui atraído pela Beleza das coisas. Talvez por isso a Arte tenha papel tão fundamental em minha vida. Não há como separar-me da Arte, principalmente visual e musical.
Desde muito cedo, na Escola primária, já demonstrava grande apreço pelas cores, e mexia assaz com macinha de modelar. Sempre fui apaixonado pela Arte em si.
Depois da adolescência, comecei a me interessar pelas garotas, e meu interesse principal se baseou naquilo que os Contos de Fadas me instituíram como baliza para medir o objeto de minha busca. Assim, as garotas que se enquadrassem naquele perfil que sempre tive dentro de mim, geralmente despertavam meu coração em poesias e canções (nas que eu compunha ou simplesmente ouvia in memoriam).

Poderia abranger todas as partes artísticas que me comovem aqui, mas pretendo ser breve. Então, posso dizer que tudo que é relacionado à Beleza (e vejo as Virtudes Cardeais como BELEZA exultante, e mais ainda as Teologais - Fé, Esperança e Caridade!) me atrai e encanta.
Sou um homem "sensível" no que diz respeito à Arte e à Psicologia das pessoas. Talvez por isso me seja deveras fácil interagir com elas. Pode ser, portanto, que esta característica idiossincrásica me custe caro no namoro, por eu ser "dado" em certas ocasiões, o que geraria "ciúmes" em minha parceira por conta disso.
Mas acredito que tudo tem solução em Deus, e podemos superar vícios e problemas com Fé e Esperança (paciência é filha da Esperança!).

Já que estamos falando sobre aspectos sentimentais, gostaria de deixar claro que quem é muito sentimental para as coisas Belas, também o é para momentos de estresse. E quem é muito sentimental geralmente é muito temperamental também. Isto significa que nos comovemos com o Bem e o Mal proporcionalmente.
Não seria legal me pegar de mau humor e pedir algo que exigiria docilidade - obs: seria a pior coisa!
Sou muito carrancudo para certos tipos de coisas. E jamais gostaria que tais acontecessem. Mas não somos perfeitos, e não há como evitar coisas que não dependem de nós para acontecer ou não.
Se tudo dependesse de mim, seria só paz, amor e esperança. Mas as pessoas variam entre boas, más, invejosas, virtuosas ou viciosas. Então, só tenho a rezar a Deus para que me prepare para TUDO.

Minhas aspirações seguem rumo ao melhor emprego (para mim). Com tantas inclinações artísticas, fica-me dificultoso optar por caminhos restritos. Não sou do específico. Sou do abrangente. Sou de abraçar o Mundo! E isto me custa caro às vezes. Devo aprender a me policiar com esse meu aspecto idiossincrásico.
No mais, sou assim, um meio poeta, meio escritor, meio filósofo, meio psicólogo, meio jogador de tênis de mesa, meio palhaço, meio monge, meio lutador de artes marciais, meio desenhista, meio músico, meio cantor, meio tudo.

(continua... algum dia... - risos)





1 - expressão que quer dizer "voltando ao assunto".