quarta-feira, 14 de março de 2012

Para Daniela, Amor do Meu Coração!



Meu amor, aqui vai uma modesta, porém diligente, reflexão-proposta para buscar uma solução ao teu problema (estresse saturado).

Muitas vezes nos preocupamos com coisas que excedem nossa capacidade de absorção, de assimilação, de flexibilidade, enfim, nossa capacidade de suportar determinadas coisas do dia-a-dia. Por isso, uma das alternativas para aqueles que, como tu, padecem num sofrimento excessivo em relação ao estresse diário-familiar-geral, é buscar refletir. Mas não somente refletir, no sentido de pensar contemplativamente a respeito de nosso padecimento presente. Falo aqui de uma "reflexão terapêutica". O que seria isso? Perguntar-me-ias tu. Seria o mesmo que uma atitude de contra-ataque perante o agente causador de nosso Estresse.
Mas como, nos questionaríamos todos nós, uma simples reflexão poderia ajudar a, se não aniquilar o Estresse, pelo menos diminuí-lo? Talvez a resposta esteja na própria questão em si mesma! Pois que o Estresse, como a maioria das pessoas bem o sabe, é desencadeado por um processo denominado "psicossomatização" - a somatória dos ditos "pepinos", um em cima do outro, até que não suportemos mais e expiremos numa crise de sintomas e mais sintomas maléficos, ditos "psicossomáticos".
Bem, uma vez entendido que o Estresse é uma "consequência" e não uma "causa", podemos voltar à questão da reflexão como atitude de contra-ataque ao nosso dito 'vilão' psicológico.
Quando um determinado suporte - como uma mesa, por exemplo - contém muita coisa em cima de si mesmo, este começa então a ceder, arriar, a perder o equilíbrio e, por fim, a desabar. E isto significa que, obviamente, o dito suporte foi extremamente "estressado" pela quantidade excessiva de massa sobre si mesmo. Lembrando que o termo "Estresse" tem, na Etimologia da palavra, o sentido de "tensão". Ou seja, numa situação humana, como é o caso aqui abordado especificamente, quando alguém começa a se estressar demais, é necessário deixar de lado a preocupação, digamos, que causou o determinado estresse, e buscar a [nova] preocupação em resolver esta consequência da primeira - se é que ficou claro.
O Estresse possui, segundo a Psicologia, três estágios antes de entrar no que chamamos: exaustão.
O primeiro estágio chama-se de "Estado de Alerta". É quando o corpo sente que algo mudou no mundo externo e, assim, começa a desenvolver-se, modificar-se, ou seja, a se adaptar à altura desta mudança - a fim de equilibrar-se novamente com o ambiente.
No segundo estágio do Estresse temos o "Estado de Adaptação" - já mencionado acima, quando o corpo e a mente, como um todo, buscam o "equilíbrio" geral à situação nova.
O terceiro, por fim, é o estágio em que, não havendo capacidade adaptativa o suficiente para desfrutar do equilíbrio entre o mundo externo (situações diversas da vida como clima novo, pessoas novas, emprego novo, namorado(a) novo(a) e etc), o corpo começa, então, a etapa de "exaustão" de si próprio.
Agora é o momento de eu alertar a ti, meu amor, e a todos os que assim estiverem. Pois que o estado de exaustão deve ser evitado com a maior preocupação e diligência possíveis. E por que falo isso? Porque é difícil 'sair dele' sem ter de 'recorrer' à medicamentos e terapias muito caras. já pensou(aram), que situação!
Pois bem. A alternativa é refletir muito bem sobre os possíveis pivôs, isto é, causadores dos consequentes estresses diários. Seja problemas familiares. Seja profissionais. Seja relacionais em geral, mas o importante é questionar-se sobre as possibilidades de enfrentar de uma maneira melhor. De uma forma com a qual se possa desfrutar de pleno domínio.
É necessário, antes de tudo, repensar nossos lazeres, nossas formas de buscar alegrias e recreações. Pois que as recreações são importantíssimas para o nosso desenvolvimento psicossocial, espiritual, cultural, emocional e etc.

Aconselho-te, meu amor, Princesa Minha, a buscar, após profundas [orações e] penitências interiores, bem como a consulta a um piedoso religioso santo e íntegro (ah! ao Sacramento da Confissão também, talvez seja até isso!!!) focalizar-se a si própria no que se refere à maneira como tens vivido, reclamado, lutado e interagido com outras pessoas (no geral mesmo).

No que precisar, estarei sempre cá, do teu aconchegante lado, sempre atento ao que te mais urgir, e também para entregar-te, sempre e cada vez mais, pedaços do meu Coração, que sem ti não sobreviveria ao naufrágio em que Adão e Eva nos lançaram com sua soberba: o querer ser como Deus.
Amor, sobretudo, entrego-te a minha vida em parceria, na jornada rumo ao Paraíso...
E encomendo-te a Alma à Santíssima Virgem, Nossa Senhora das Graças, a Quem nunca se ouviu dizer, em parte alguma da Terra, que alguém, precisando deveras de Sua ajuda, foi esquecido e não-atendido!
Fiques na santa Pax Domini, tenhas uma excelente, abençoada e amena noite de sono pela frente. Durma com os anjos do Céu, principalmente teu anjo da guarda pessoal, Santa Teresa D'Ávila, São João da Cruz, São Francisco de Assis, São Tomás de Aquino, Santo Agostinho, Santa Filomena e São Bento!

Proponho-me a mim mesmo, jejuar e abster-me de doces, nesta Quaresma, também, em sentido da tua melhora, recuperação do mal-estar geral e em benefício de tua santa alma feminil, que muito me agrada e cativa.
Saibas que, sem ti, nada eu seria do que, após junho de 2011, estou sendo para Deus até agora!

In corde Iesu et Mariae, semper!

LDForever!