quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Por uma equalização conceptiva

Como é difícil equalizar duas cabeças num mesmo raciocínio temático ou num mesmo viés conceptivo [e coisas do tipo]. Pensando sobre esta questão até suponho que seja mesmo impossível acontecer uma tal sintonia mental. Mas talvez não fosse de todo inútil tentar encontrar alguma forma de tornar real uma verdadeira equalização ou sintonia conceptiva entre as pessoas.
Eu, por exemplo, concordo plenamente quando se diz "cada cabeça: uma sentença". Mas também acredito que isto não é uma regra absoluta para o ser humano. E a razão se dá porque creio na Universalidade da Verdade em Deus, por Cristo Jesus - através da Santa Igreja Católica Apostólica Romana. No entanto, as pessoas tendem a acreditar apenas em si mesmas e a sonegar fragmentos imprescindíveis da Verdade total. Estas "partículas" da Verdade encontram-se, muitas vezes, naqueles fatos auto-evidentes que a maioria das pessoas "modernas" fazem de conta que não existem, ou que são no mínimo invisíveis aos olhos "comuns" - isto é, não críticos - da sociedade.
A Igreja, enquanto Porta-Voz da Verdade no Mundo, não pode se dar ao erro. E a justificativa é praticamente evidente: Ela é a "esposa" por excelência. Esposa esta que tem por esposo senão A Verdade Encarnada: o Logos Divino!
Portanto, sendo eu um fiel desta "instituição divina" - que de humana só tem a "casca" - jamais poderia me dar ao luxo de acreditar piamente na sentença "cada cabeça: uma sentença", pois esta significa apenas que não há Verdade em absoluto, mas verdades contingentes.



Minha princesa,
Minha musa,
Minha pequena...
Cheia de charme,
Repleta de beleza.
Tu és aquela que meu coração encanta!
E de ti me faço refém...
Se do Amor tenho de dar testemunho!
Pois nossos caminhos por fim se encontraram
E agora juntos estamos no palco da existência:
Para o Mundo dos homens galgar pela força da Fé!
Juntos, e somente juntos...
Seremos aquilo para que fomos criados:
Uma só carne!
Doravante nossos sonhos serão, 
Em uníssono,
Como uma só estrada que mira o Céu!